Pular para o conteúdo principal

O CAMISA-VERDE >> Albir José Inácio da Silva

Siá Maria trouxe a notícia de que tinha gente estranha, fardada e paisana, perguntando por ele em Lages.  O rancho ficava no Km 12 de uma antiga estradinha que a Light tinha aberto durante a construção da Usina de Fontes.

Dito pediu que ela fosse até o comércio vigiar qualquer aproximação. Tão logo ela saiu, Dito enfiou no fogão de lenha a camisa verde e atiçou o fogo. Depois escorregou pelo barranco e correu pela água do riacho para não deixar rastro.

Mas não adiantou. Dali a pouco ele era arrastado de volta por homens a pé e a cavalo.

Dito nasceu Benedito, que Siá Maria chamava Bindito e os vizinhos, desde cedo, maldito. Siá Maria devia ser só ama-de-leite. Logo que ele nasceu, sua mãe, alegando peito seco, pediu a Siá Maria que o amamentasse. Ela já estava desmamando seu último filho, mas água e leite não se nega a uma criatura de Deus. Um dia a mãe não voltou para buscá-lo, e nunca mais se soube dela.

 Ao contrário dos outros filhos, Dito não estudou, trabalhou ou fez qualquer coisa útil. Furtou e infernizou a vida da vizinhança. Não fosse por Siá Maria, ele ganharia uma coça por dia. Mas os motivos iam se acumulando e, quando o pegavam sozinho, não escapava.

Dito foi crescendo e, como não se dava muito bem com esse negócio de trabalho, acabou se envolvendo na política. Os camisas-verdes tinham um discurso envolvente, patriótico, que queria ordem, moral e honestidade.

Dito, se não era muito ligado nessas coisas de moral e honestidade, pelo menos falava nelas com muito entusiasmo.  E logo estava usando verde, saudando com a mão levantada e gritando: anauê!

Quando terminou o “flirt” com os alemães e se voltou para os aliados, Getúlio se viu na obrigação de perseguir os integralistas, que seriam os nazi-fascistas tupiniquins. As camisas verdes desapareceram dos corpos e dos armários, mas o caça-às-bruxas já tinha começado.

E foi assim que o Dito foi arrastado de volta das brenhas daquela encosta de serra com as mãos amarradas. Tiraram-lhe toda a roupa e ele ficou se encolhendo, a ver se escondia ou protegia algumas partes.

Quando os homens da lei desafivelaram seus próprios cintos, Dito estremeceu. A coisa podia ser bem pior que uma morte pura e simples – apavorou-se.

(Continua em 15 dias)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …