Pular para o conteúdo principal

PITADINHA BRASILEIRA >> Mariana Scherma

Esta semana a Globo anunciou que passaria Dirty Dancing – O Ritmo Quente na sessão da tarde e eu ri sozinha, como sempre rio dos complementos brasileiros a filmes ou séries gringos, ou mesmo das traduções literais, que passam a impressão de ter mudado o roteiro totalmente. Deve ser uma profissão no mínimo interessante traduzir ou criar esses complementos. Eu sempre quis conhecer alguém que fizesse isso pra ganhar seus trocados, só pra deixar meu currículo, vai que... Imagino uma reunião de pauta entre esses profissionais questionando:

– Como vamos deixar isso um pouco mais brega?
– Hmmm, acrescenta amor. Amor dá ibope!

Que as distribuidoras de filmes têm uma preferência pelas traduções açucaradas, nível alerta de diabetes, é fato. Não existe outro motivo pra Up In The Air, aquele filme ótimo com o George Clooney, ter se transformado em Amor Sem Escalas. Só pela tradução você imagina uma comédia romântica superlotada de comissárias de bordo e pilotos bonitões. Nada a ver. Tem tudo, menos amor nesse filme. Ou a comédia Don John, como Joseph Gordon-Levitt e Scalertt Johansson, acabar em Como Não Perder Essa Mulher. Glicose pura, wow!

Mas acho que hoje eu até entendo as distribuidoras. Falta mesmo um pouco de paixão, açúcar, piada bobinha e calda de caramelo na nossa vida. Que venha então nesses títulos pra ver se a gente se inspira. Exemplo? Shane é o título original de Os Brutos Também Amam. Quer coisa mais inspiradora do que saber que, sim, até um cowboy duro na queda pode ficar todo derretido por alguém? Que fofo! Agora, se a pegada é bom humor, a série Beverly Hills 90210 ter se transformado em Barrados No Baile é prova cabal de que algum tradutor adora fazer a piada do pavê no Natal. Se eu fosse ver a série só pelo título em português, imaginaria um grupo de gente que não conseguiu convite pra alguma balada, tentou entrar de bicão, mas ficou na porta. Nada a ver outra vez.

Antes, eu ficava indignada com as traduções. Achava que os tradutores nos chamavam de burro na cara. Desencanei dessa fase e virei uma apreciadora desses títulos tão peculiares. É como se a gente desse nosso toque brasileiro às produções gringas. Acho o máximo The Fresh Prince Of Bel-Air ter virado Um Maluco No Pedaço, acho justo The O.C. se chamar The O.C. – Um Estranho No Paraíso. É mais ou menos como a gente acrescentar uma pitada de leite condensado, tão nosso, às sobremesas que vem de fora. Mas nenhum desses títulos ocupa um espaço maior no meu coração que Alf, o ETeimoso. Um beijo sabor brigadeiro pra quem colocou o "eimoso" depois do ET.

Comentários

Ricardo Pessanha disse…
Só para livrar um pouco a cara dos tradutores, entre os quais me incluo, gostaria de informar que quem escolhe os títulos é o pessoal do marketing, entre os quais também me incluo, e isso que não livra a cara de ninguém.
Anônimo disse…
Sinceramente eu prefiro qualquer nome em portugues do que ter que engolir esses nomes em ingles. Se no cotiiando o brasileiro criasse do mesmo jeito, como: Cup cake, viras um copinho de bolo e Bulling bulinar seria bem melhor.
A crônica que eu já pensei muitas vezes em escrever. Agora me desobriguei. Grato, Mariana. :)

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …