Pular para o conteúdo principal

TRANSMUTAÇÃO >> Carla Dias >>


Foi uma criança inquieta, daquelas que cutucam chão de terra acreditando que chegará ao outro lado do mundo, e quando descobrem que não é bem assim, cutucam mais um pouco para ter certeza, que ingresso para o outro lado do mundo não anda dando sopa por aí.

Sua inquietude não vem somente de uma infância de liberdade plena. Até porque não tardou para que ele descobrisse que a tal liberdade plena, na verdade, era abandono de incapaz. É que sempre foi assim mesmo, moleque de olhar baixo, desviando de grupos, ficando sozinho com suas divagações, desacelerando na corrida do dia a dia. O pai, mais de muitas vezes, chamou-lhe de inválido, o que, mais tarde, ele compreendeu que uma palavra aplicada de forma equivocada pode virar o jogo da vida. O pai só queria mesmo era chamá-lo preguiçoso, que nunca foi bom nas performances de semáforo. Então, aborrecia-se fácil, achava um jeito de sumir da avenida e das vistas.

Aliás, ele nunca teve a vista boa. Enxergava ralinho do olho esquerdo, por conta de um acidente caseiro, que nem vem ao caso, que ele era tão pequeno quando aconteceu que prefere o esquecimento. Foi essa visão, que uns tantos diziam ser limitada, que lhe ensinou os olhar atento que, posteriormente, inspirou-lhe o olhar atencioso.

A mãe era uma dona grandalhona, de voz miúda, que contava histórias horríveis, das violentas, mas com um tom calmo, um ritmo arrastado, o que fazia com que as pessoas a escutassem como se estivessem assistindo à novela, e não escutando detalhes sobre um fato. Aliás, não havia mulher no bairro que soubesse mais que a mãe dele, a detentora dos detalhes. Bem mais tarde, ele ficou sabendo que ela também era a autora da maioria dos atos vis que apimentavam suas histórias.

A curiosidade o levou à escola. Não a curiosidade sobre o aprendizado, mas sobre se a sopa servida de merenda tinha o sabor tão bom quanto o cheiro. Não tinha, mas de qualquer forma, era muito mais agradável passar o tempo com a cara na lousa e no caderno do de cara com seu pai, que ele veio saber, não tardou, era a matéria-prima do bullying.

Não fez amigos na escola. Fez uma amiga, menininha esquisita, que vivia resmungando que a vida era patética. Anos depois, ele compreendeu, assim, com a clareza que não falta nem mesmo a quem não enxerga como se deve, que tudo o que ela sentia era solidão. Não que a vida não fosse patética - e não foi preciso que ele esperasse muito para engolir esse sapo -, mas não era sempre. Não era uma vida essencialmente patética, mas como ele gostava de dizer: patética quando lhe cabe, pra ver se nos ensina a caber onde devemos.

Sua inquietude se tornou pontual, depois que foi viver sob a custódia do governo. Ensinaram-lhe muito, que, eventualmente, ele aceitou que era pouco para quem tinha o direito à felicidade. Não é isso que os cartões comemorativos dizem? E as cartas de amor, e os pais em potencial, que não lhe escolhem porque você não tem a cor, o corpo ou o cabelo certo? Os criminosos em plena captação de parceiros, os fabricantes de remédios, os amantes eventuais, os vendedores ambulantes?

Inquietude, para ele, é palavrinha curiosa. Talvez sua fama de melancólico, de pessoa que não sabe gargalhar, de quem perde um tempo valioso andando cabisbaixo, como se não fosse autorizado a cruzar olhares, não esteja de acordo com o que, certamente, ele acabaria por descobrir.

Ele chegou do outro lado do mundo. Cutucando o chão de terra, descobriu a paixão pela geografia. Com a sopa quente e perfumada, alimentou um futuro. Com o olho que não cabe no labirinto da perfeição, enxergou além. No abandono, nasceu companheiro daquela que, em nenhum momento, questionou a sua capacidade de ser feliz. E mais, ele viria a perceber, já adulto, alguém que nunca o confinou na solidão.

Imagem: La condition humaine © René Magritte

carladias.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …