Pular para o conteúdo principal

AS TRÊS MARIAS (continuação)
>> Albir José Inácio da Silva

(Continuação de http://www.cronicadodia.com.br/2014/07/as-tres-marias-albir-jose-inacio-da.html)

No sertão de Sergipe uma vila se chamou “Enforcados” desde 1606. Ali eram enforcados os índios durante o seu longo processo de “salvação”. No século XIX o povoado passou a se chamar Nossa Senhora das Dores, um nome sem dúvida mais digno. É claro que lá também chegou a televisão e as novelas, com as lindas imagens do Rio de Janeiro. Maria das Dores se lembra da cena e não gosta mais de novela. Nem da vida. Ela conta por quê:

— Eu queria ter morrido nova, como morreram meus três irmãos. Assim não dava esse desgosto a meu pai. Meu pai é homem bom. Deixava de comer pra dar comida pra nós. Não precisava ter acontecido. Eu nem gostava daquele traste. Pra mim foi o diabo. Eu andava pensando umas bobagens, uns pecados, e não fui me confessar. O tinhoso aproveitou. Agora nunca mais vou ver meu pai. Aqui não é ruim. Madame me trata bem. Tem freguês que é bom. Ruim mesmo é a vida. Sabe de uma coisa: a gente nasce pra sofrer e a vida é muito comprida!

O pai de Maria das Dores não gosta de novela, nem de televisão e não gostou da primeira vez da filha. Não gosta mais da filha, nem de madame. E tem uma versão:

— Cumpri minha obrigação e madame vem me oferecer dinheiro. Vê se sou homem de vender filha. Filha não, que não é mais minha filha. Levei ela pra lá porque não podia ficar mais em casa. Nem no povoado. Lugar dela agora é ali: casa de perdida. Foi o que ela procurou. Até que era uma boa menina antes. Pra mim foi a tal da televisão. Dia antes do acontecido, vi uma pouca vergonha danada naquela caixa do demo. E eram duas criança ainda, da idade dela. Mandei desligar na hora. Depois da desonra, quebrei aquele troço num monte de pedaços. Aquilo não é coisa pra entrar em casa de gente honesta. Bom, agora vou atrás daquele porco. Vai aprender a não desgraçar mais filha dos outros. Vai aprender na faca.

Madame também viu a novela, aliás, vê todas as novelas. Não se lembra mais de sua primeira vez, mas conhece as histórias de primeira vez de muitas meninas. E conhece Maria das Dores:

— Geralmente as meninas chegam sozinhas. Mas Dasdô chegou aqui pela mão do pai. Tinha sido desonrada e ele, pra não matar, trouxe ela pra mim. Disse que tava cumprindo obrigação de homem honesto, e que Dasdô tinha sido boa menina antes. Depois falou umas bobagens sobre televisão. Eu trabalho com mulher perdida há muitos anos e nunca vi ninguém se perder por causa de televisão. O cabra não aceitou o dinheiro que eu dei, inda parece que ficou emputecido. Gente mais maluca! Disse que tinha serviço urgente pra fazer — serviço de sangue. Credo em cruz! Foi embora sem nem se despedir. Bom, o que eu não podia era deixar uma menina assim bobinha na rua, né? Lembro que Dasdô ficou parada no meio do salão e arriou a trouxinha bem devagar. Depois andou até perto da janela e ficou espiando o pai se indo pelo caminho. Cheguei mais perto, mas não tive coragem de falar nada, e a sala ficou naquele silêncio comprido. O pai chegou na curva sem se virar. Dasdô falou baixinho “bença, pai”. O “b” de bença explodiu em mil pedacinhos uma lágrima que tava nos lábios. Tive pena da menina. Boa menina, a Dasdô.

Comentários

Quanta humanidade, Albir!
Zoraya disse…
Albir, esse foi um dos melhores! E é difícil selecionar!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …