Pular para o conteúdo principal

EM UBATUBA >> Sergio Geia

Ligo a máquina. Vou para o e-mail. Branco total. Cadê a senha? Procuro na memória. Nada. Tento uma. Outra. Clico em esqueci a senha. Digito o login, um código. Aparece um lembrete: “VIDA”. Putz! VIDA!? O que eu quis dizer com VIDA? Não me ajuda em nada. Vou tentando até que uma hora a ficha cai. Quer dizer, a senha. Parada sinistra, mermão!

Digito: “Fala Beto! Beleza? Não sei o que você tá aprontando, mas tudo bem. Aí vão algumas impressões sobre os dias que passei em Ubatuba, como você me pediu. Veja lá, hein?” Pulo uma linha e começo meu texto em formato de crônica.

A serra continua a mesma, meu querido. Quem é de Ubatuba, São Luiz ou Taubaté, já sabe. Mas quem não é se assusta. Oito quilômetros penosos, sem acostamento, curvas fechadas, descidão em segunda ou em primeira marcha. Outro dia o Governo duplicou a Tamoios. Quem sabe agora ele não olha pra nossa pobre Oswaldo Cruz. Tá precisando.

Desci a serra principalmente com a intenção de tomar banho de mar. Ah, um banho de mar... Dizem que renova a vida. Pois é. E purga a casca, o que é muito bom. Fui até a praia da Fazenda. Fica no Norte, quase chegando a Paraty. Conhece? Se não, tá na hora. É nela e somente nela que eu consigo ouvir o mar, ler a poesia que brota daquelas areias enfeitadas de sol. Não há barulho de cidade, nem poluição. Há mar. Apenas mar.

Na volta dei uma paradinha em Itamambuca, a praia do surf. Não sou surfista, bem sabe; só parei pra comer um bolo. Não qualquer bolo, mas um belo de um bolo de cenoura. Trata-se de uma vendinha que fica do lado direito da estrada que dá no mar. Recomendo.

Recomendo também as tainhas da Festa do Divino, da Paróquia Exaltação da Santa Cruz, lá na Matriz. Faz anos que venho pra festa. O peixe, que se assa em churrasqueira, recebe apenas sal grosso; acompanham arroz, farofa e maionese. Serve bem, o ambiente é familiar. Durante semana a quermesse é boa. Pouca gente, sem confusão. Tem doces, tem bolinho caipira. Dá pra comer tranquilamente, mas dia de semana!

Sabe que andando pela orla estranhei a ausência do estimado Zé de Anchieta!? É que próximo à feirinha tinha lá uma escultura dele escrevendo na areia. Está certo que os vândalos não deixavam o pobre em paz. Quase sempre o encontrava com um braço faltando, sem um dedo, ou mesmo com o pauzinho quebrado. Dizem que Anchieta escreveu seu famoso “Poema à Virgem” naquelas areias da praia do Cruzeiro. Você conhece o Poema à Virgem?

Numa das manhãs encontrei um homem que se jogou ao mar carregando apenas prancha e remo. Parei pra olhar. Essa visão não só daria uma crônica, mas uma bela de uma crônica. Andei pesquisando. Dizem que se chama stand up paddle. O esporte é sucesso no Rio. Ele avançou, avançou, depois virou um risquinho.

Belas imagens, amigo. Belos dias. Mas tive que interromper a farra antes da hora e voltar a Taubaté, a fim de protocolar uns documentos importantes na Academia Taubateana de Letras. Eles por lá estão recebendo novos acadêmicos, e eu, com meus escritos, minhas crônicas e meu solitário “Confidências”, resolvi oferecer o meu nome; quem sabe vir a integrar tão respeitada instituição. Quem sabe.

Anjão: é mais ou menos isso. Veja aí o que vai aprontar, hein?

P.S.: mudaram Anchieta de lugar. Depois que vi. Ele inteiraço numa fonte!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …