Pular para o conteúdo principal

A SAGA DE SANDY >> André Ferrer

O tipo de pensamento que só acontece de madrugada. E se o cronista vem de um sono intranquilo diante da TV, o corpo magoado pelas duras corcovas da poltrona, o tal pensamento ocorrerá. No entanto, um pouco antes — graças à música inconfundível , descobre-se que se assistirá ao filme "Nos tempos da brilhantina" ("Grease") pela enésima vez. Inevitavelmente, aquele pensamento: sim, o vaivém da moda não tem nada de espontâneo.

Aliás, nunca teve. No seu movimento pendular, a moda oculta um verdadeiro universo de intenções.

Grease é um filme dirigido à juventude dos anos de 1970, mas que retrata a geração anterior, dos pais, aqueles que eram jovens algumas décadas antes, em plena transição dos 1950 para os 1960. A história tem como eixo a educação sentimental de uma jovem, Sandy, o que perpassa, rapidamente, a inocência dos anos dourados e alcança os vestíbulos dos anos de 1980 e 90 quando, efetivamente, a mulherada trocou a espera na orla da pista de dança pelo ato assustador de “tirar para dançar”. Como revival dos festivos e puros anos pós-guerras, Grease encanta os mais velhos e, assim, edulcora o resultado da revolução dos costumes. A beatitude de Sandy é um engodo para o núcleo familiar. A donzela é uma mola encolhida. Ela parece condenada a uma eterna matinê rockabilly, mas ensaia tacitamente o atualíssimo “ataque da cachorra louca”.

Uma vez mais, a saga de Sandy passa diante dos meus olhos. Desde o início do filme, lá está ela: pronta para se lançar nos embalos de sábado à noite, nos nightclubs nova-iorquinos, na boemia new wave de Londres, enfim, nas raves anfetamínicas de Ibiza. Enquanto apresenta uma heroína ingênua, que se revelará uma Fênix Negra nas cenas finais, Grease tem elementos que agradam os donos da independência financeira, isto é, os pais, aqueles que liberam a criançada para o cinema e até pagam a pipoca, o refrigerante e o hot dog.

A moda nunca retrocede. A moda é um fio maleável, que se dobra sobre si mesmo para tocar, lá atrás, o que interessa aqui na frente. Se o controle dos iguais é sempre mais fácil do que o controle dos diferentes, a moda é a serpente que paralisa e nivela as massas com a sua dança de sobreposições.

Em Grease, a ilusão dos “velhos tempos que voltaram” uniformiza os pais e os filhos em prol de um produto. A guerra de gerações ganha, então, uma zona neutra em que a trégua beneficia uma grande indústria cultural. Na bandeira branca, pode-se ler que a moda é circular; de tempos em tempos, ela traz de volta o que houve de bom. Mas a história não é bem assim. O refluxo da moda é tão deliberado quanto uma onda que se quebra numa daquelas praias de parque aquático, artificialmente animada pelo emprego de bombas.

O pêndulo da moda é irmão dos fantoches. Daí o kitsch. Os Girassóis de Van Gogh a preços populares. A miniatura da Torre Eiffel, como souvenir, para quem visita Foz do Iguaçu ou Aparecida do Norte. A ideologia é feita para muitos enquanto a riqueza material, desde que o mundo é mundo, é para poucos. 

Comentários

Zoraya disse…
Uau! Andre! Esse texto maravilhoso foi criado a partir de uma poltrona desconfortável, uma noite insone e Grease?!!
Zoraya, nós escritores temos uma estranha natureza de bicho reciclador. A despeito da necessidade de anti-inflamatórios, o texto. Rsrsrs!
albir disse…
Muito bom, André! Fico aguardando outras críticas.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …