Pular para o conteúdo principal

LAÇOS EXISTENCIAIS >> Paulo Meireles Barguil

No final da década de 1980, eu era um estudante do Bacharelado em Computação, na Universidade Federal do Ceará, e não me divertia muito com os assuntos abordados  programação, banco de dados, compiladores, sistemas operacionais, redes, inteligência artificial... — motivo pelo qual, na metade do curso, minha vontade era pular fora, fosse pela porta ou pela janela...

Não o fiz simplesmente porque ignorava o que queria cursar e refutava em absoluto a hipótese de ficar de bobeira. Resolvi, então, obedecer à máxima: "Na dúvida, não desista!".

Quando eu descobri o próximo destino — Pedagogia — já estava no último ano e resolvi, em respeito à minha carga genética, mesclada com a pressão social, terminar a missão iniciada.

Refuto o entendimento de que o Homem é um computador, uma máquina de processar informações. Embora os componentes, de modo geral, sejam os mesmos, e a lógica de funcionamento deveras parecida, a depender do fabricante e do público alvo, a arquitetura, em virtude dos cromossomos, é única, com exceção para os raros gêmeos univitelinos.

O que dizer, então, do banco de dados? Experiências singulares fazem com que a percepção do mundo seja exclusiva: ninguém vê, sente o mundo como eu. Cada pessoa é, portanto, fora de série.

Um dos nossos objetivos na Computação era aprender a programar: construir uma sequência de instruções para realizar algo. No início, como sempre, tarefas simples. Depois...

Concluída a escrita, era hora de "rodar" o programa  colocar para funcionar — e rezar — torcer para ele funcionar adequadamente.

Não creio que existia uma relação — direta ou inversamente proporcional — entre tais variáveis, considerando os resultados e as práticas espirituais dos colegas...

Quando o programa não funcionava, entrava em cena o método mais utilizado na Ciência: ensaio e erro. O desafio era localizar a rotina que estava "dando pau" e consertar a dita cuja.

Uma estratégia para localizá-la era colocar marcadores — letras para aparecerem na tela, por exemplo — de modo que se pudesse descobrir onde estava o problema e tentar, posteriormente, resolvê-lo.

Algo muito frequente nas nossas produções acadêmicas era o loop, situação em que o programa executava indefinidamente uma sequência, não avançando nos comandos laboriosamente redigidos e nos obrigando a interromper o funcionamento da máquina.

No início deste ano, durante uma aula no curso de Pedagogia, mais de 25 anos depois de tais experiências na Computação, vislumbrei o fato de que nós, na maior parte da nossa vida, estamos presos em laços existenciais.

Deles somente nos livramos se tivermos a humildade de reconhecer quando estamos com a corda no pescoço, no bolso ou no pé, a coragem de colocarmos marcadores para identificar onde estamos atolados e a determinação de reescrever as instruções, quase sempre no sentido de simplificar o roteiro.

E viva o CTRL + ALT + DEL!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …