Pular para o conteúdo principal

DE NASCENÇA >> Carla Dias >>


Nascido, sabe onde. Criado, sabe como. Amado, nem sempre, mas sabe que tem culpa no cartório das desistências emocionais. Estudioso de autobiografia, inescrupuloso quando se trata de dar voz de prisão ao lamento. Acreditou, até os dezesseis, que se agarraria à felicidade de tal forma que não haveria tristeza que fosse capaz de desancorá-lo dela. Enganou-se, e aceita isso bem aos trinta e tantos, que se a vida fosse somente felicidade, ele não teria conhecido o silêncio.

Nascido na boca do trilho, escutando música de trem, encarando os passageiros que lutaram valentemente pelo banco da janela, enquanto ele estendia suas roupas, na cerca de arame, em dias de lavanderia coletiva na caixa d’água. Foi criado com a bola no pé, a roupa puída, a voz esganiçada na hora de pedir pão com manteiga e uma média, anos depois a pinga, dobre a dose, meu senhor, que hoje eu perdi o emprego e ele tem de se esbaldar na liberdade imposta, antes de voltar ao barraco e dar a notícia à mãe.

Bom de palavra, que pegou inteligência lendo tudo o que a mulher de outro lhe deixava tirar da estante, em jantar aos sábados, com direito a pernoite, que o homem dela estava fora a negócios. A mulher nunca entendeu por que Deus dera a ele, um pardo com miséria cravada na sua realidade, olhos azuis feito céu em dia de sol. Para ela, era desperdício. Para ele, ser pardo não coincidia. Era negro mesmo, com o maior orgulho e olhos azuis merecidos.

A mulher tentou reinventá-lo, torná-lo modelo, jurando que a vida dele seria outra, haveria dinheiro, prestígio. Ele foi embora, no dia dessa conversa, e não voltou mais. Modelo era o vizinho dele, que criou os guris tão bem que se tornaram doutores e pais tão competentes quanto o deles.

Ele sabe onde nasceu, sabe como foi criado. Das vezes que foi amado, sentiu-se grato. Nas noites de quinta, seu dia preferido da semana, senta-se na soleira de casa, observando o trem passando, os passageiros de olhos voltados para a sua casa. Ergue a caneca, oferece um café, um e outro passageiro ainda encontra tempo para sorrir para ele. Dia desses, ele vai entrar nesse trem, como vem sonhando desde muito moleque, sem vontade de futebol, brincadeira, somente o desejo de mudar de destino.

Segunda-feira, ele irá encontrar os meninos do vizinho, que eles têm emprego para ele melhorar de vida. Não fosse a gentileza dos moleques, ele continuaria a ir e vir em um lugar no qual essa é a única opção. Mas ele quer ir para ficar. Para que, depois de um mês, possa comprar vestido novo para mãe, camisa nova para o irmão, e levá-los naquele tal de Teatro Municipal para ver a tal orquestra tocar.

Pensando nisso, sente uma saudade ranzinza da mulher do outro homem. Se ela não tivesse se encantado com os olhos dele, a ponto de pensar que ele era somente isso, um par de olhos azuis, ele teria ficado mais um pouco, que os livros eram bons, assim como a música. Só que ele sabe onde nasceu, sabe como foi criado. E a mãe lhe ensinou, ainda moleque, que ninguém tem o direito de fazê-lo sentir um pedaço do que lhe é direito ser inteiro.

Mais um trem passa. Dia desses, ele vai passar junto. E sabe lá quem ele se tornará nesse mundo, além da cerca, além do trem, além desse tudo que compõe seu quase nada.

Imagem © Jackson Pollock

carladias.com

Comentários

Élida Regina disse…
Ai, que texto! (2)
É sempre maravilhoso ler seu textos!
Ô mulher pra criar personagens bons! :)
Carla Dias disse…
Alberto, Élida e Eduardo... Vocês é que são bondosos com meu laboratório existencial. Beijos!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …