Pular para o conteúdo principal

É SÓ O MEU JEITINHO >> Fernanda Pinho



Sabe um troço que me irrita (além de sachê de catchup que a gente não consegue abrir, obras na vizinhança que começam às 8h da manhã de um sábado e propaganda política enviada pro nosso celular)? Gente que justifica falhas de caráter dizendo que aquele é o “seu jeito”. Acho que começa na infância. Sabe aquela mãe que ao ver o filho fazendo diabruras apenas dá um sorriso amarelo e diz “ele é assim mesmo”? Pois é. Deve ser a origem do que mais tarde se tornará uma autodefesa. 

Da moça grosseira. Do cara galinha. Da senhora que não cumprimenta ninguém. Do rapaz que nunca chega no horário. Diante da cobrança por uma falha, lá vem com a mais esfarrapada das justificativa: “eu sou assim”. E o problema não é ser assim. Todo mundo é de algum jeito e esse jeito inclui coisas boas e ruins. O que me irrita é a pessoa aceitar seus defeitos como condição imutável e ainda impor isso aos outros. Sou assim, me ame ou me deixe.

Acho de uma pobreza de espírito imensa, pois acredito que estamos no mundo para evoluir. Reconhecer que “sim, sou intolerante”, “sim, lido muito mal com horários”, “sim, tenho dificuldades de me comprometer”, “sim, não aceito críticas”, é importante. Fundamental, ouso dizer de minha condição de palpiteira profissional. Mas desde que haja uma predisposição de mudança, de reconhecer nossas mazelas para avaliar o que podemos fazer para melhorar. Para ser a tal mudança que a gente quer ver no mundo. E não para nos empurrar goela abaixo dos que convivem conosco. "Sou assim e pronto e acabou, quem aguentar aguentou". 

Se houvesse alguma lógica nesse argumento egocêntrico não ia faltar era réu se defendendo no tribunal dizendo que “matei sim, porque esse é meu jeitinho assassino de ser”. E se é o jeito dele, fazer o quê, tem que absolver. Não, isso não tem o menor sentido. Acredito que é por algo estarmos aqui na Terra (tendo que lidar com sachê de catchup que a gente não consegue abrir, obras na vizinhança que começam às 8h da manhã de um sábado e propaganda política enviada pro nosso celular). E desconfio seriamente que muito desse “algo" tem a ver com aprimorar nossas características que precisam de justificativa e não simplesmente aceitar, como se fôssemos uma pedra, o lado mais obscuro do nosso “jeitinho”.

Comentários

Anna Christina disse…
As pessoas se apegam a todas as suas características, sejam as boas ou as más. Acho que é da natureza humana. "Sou assim, se mudar, não serei mais eu". E tá legal, mas já deixei muita gente para tras nessa vida porque "eram assim". O outro é assim, eu sou assim - se nego tem uma característica negativa tão arraigada que não quer/pode/deseja mudar, então eu que é vou pra longe. Sou assim :P

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …