quinta-feira, 28 de agosto de 2014

É SÓ O MEU JEITINHO >> Fernanda Pinho



Sabe um troço que me irrita (além de sachê de catchup que a gente não consegue abrir, obras na vizinhança que começam às 8h da manhã de um sábado e propaganda política enviada pro nosso celular)? Gente que justifica falhas de caráter dizendo que aquele é o “seu jeito”. Acho que começa na infância. Sabe aquela mãe que ao ver o filho fazendo diabruras apenas dá um sorriso amarelo e diz “ele é assim mesmo”? Pois é. Deve ser a origem do que mais tarde se tornará uma autodefesa. 

Da moça grosseira. Do cara galinha. Da senhora que não cumprimenta ninguém. Do rapaz que nunca chega no horário. Diante da cobrança por uma falha, lá vem com a mais esfarrapada das justificativa: “eu sou assim”. E o problema não é ser assim. Todo mundo é de algum jeito e esse jeito inclui coisas boas e ruins. O que me irrita é a pessoa aceitar seus defeitos como condição imutável e ainda impor isso aos outros. Sou assim, me ame ou me deixe.

Acho de uma pobreza de espírito imensa, pois acredito que estamos no mundo para evoluir. Reconhecer que “sim, sou intolerante”, “sim, lido muito mal com horários”, “sim, tenho dificuldades de me comprometer”, “sim, não aceito críticas”, é importante. Fundamental, ouso dizer de minha condição de palpiteira profissional. Mas desde que haja uma predisposição de mudança, de reconhecer nossas mazelas para avaliar o que podemos fazer para melhorar. Para ser a tal mudança que a gente quer ver no mundo. E não para nos empurrar goela abaixo dos que convivem conosco. "Sou assim e pronto e acabou, quem aguentar aguentou". 

Se houvesse alguma lógica nesse argumento egocêntrico não ia faltar era réu se defendendo no tribunal dizendo que “matei sim, porque esse é meu jeitinho assassino de ser”. E se é o jeito dele, fazer o quê, tem que absolver. Não, isso não tem o menor sentido. Acredito que é por algo estarmos aqui na Terra (tendo que lidar com sachê de catchup que a gente não consegue abrir, obras na vizinhança que começam às 8h da manhã de um sábado e propaganda política enviada pro nosso celular). E desconfio seriamente que muito desse “algo" tem a ver com aprimorar nossas características que precisam de justificativa e não simplesmente aceitar, como se fôssemos uma pedra, o lado mais obscuro do nosso “jeitinho”.

Partilhar

Um comentário:

Anna Christina disse...

As pessoas se apegam a todas as suas características, sejam as boas ou as más. Acho que é da natureza humana. "Sou assim, se mudar, não serei mais eu". E tá legal, mas já deixei muita gente para tras nessa vida porque "eram assim". O outro é assim, eu sou assim - se nego tem uma característica negativa tão arraigada que não quer/pode/deseja mudar, então eu que é vou pra longe. Sou assim :P