Pular para o conteúdo principal

UM DIA DE SORTE >> Whisner Fraga


Não sou pescador, nem profissional nem amador, mas gosto de uma pescaria, mais pela tranquilidade de uma sombra à beira-rio do que pelo prazer de fisgar um peixe grande. Naquela época, tempo era o que eu mais tinha para gastar, daí que combinei com meu cunhado de irmos à fazenda de sua mãe, próxima ao Córrego do Açude, entre Ituiutaba e Capinópolis.

Fomos, em seu Chevette 74 (estávamos em 1999, mais ou menos), na esperança de pegar uns bons bagres ou uns mandis que não nos fizessem passar muita vergonha. O carro sofria para vencer os cinquenta quilômetros de terra até a sede. A região é fértil em barbeiros e foi dormindo em casebres de pau-a-pique que este cunhado contraiu Chagas e assim seguiu desta para melhor ou pior, mas essa é outra história.

Chovia forte naquele primeiro dia, o rio encheu e não pudemos testar nossas iscas. No dia seguinte, o sol voltou com tudo, catamos algumas minhocas e rumamos para o barranco. Pegamos vários mandis, que não nos ferroaram naquele dia. Toda vez que tirávamos o peixe do anzol, tomávamos cuidado. Dizem que para que a dor de uma picada de seu esporão passe logo, o melhor a fazer é arrancar os olhos do infeliz e esfregá-lo rapidamente no machucado, mas não precisamos testar o método.

Na volta, o Chevette carregava uns sobrinhos a mais, uns cocos, umas mandiocas, umas melancias e assim por diante, de forma que o carro ia com as línguas de fora e os pneus arriados. No meio do caminho tinha um posto da Polícia Rodoviária e, como era raro eles pararem alguém, viajávamos calmamente. O negócio é que rolava uma blitz naquele dia. “O documento está em dia?”, questionei, preocupado. “Claro”, foi a resposta. Beleza. Naquele tempo era comum toda família ter um carro velho para as pescarias, com a documentação toda vencida há décadas, o que não tirava o sono de ninguém, mas mesmo assim não convinha facilitar com a lei. Hoje as coisas mudaram, o Brasil se tornou um país rico e é comum filas de Hilux até o rio mais próximo.

Vendo aquele carro apinhado, era razoável que nos parassem. Foi o que fizeram. Ninguém estava de cinto de segurança, o que não seria problema nenhum, pois o uso ainda não era obrigatório, eu acho. E, se fosse, ninguém estava nem aí, de qualquer maneira. O policial se aproximou e pediu para que ele desligasse o motor. Ouvi meu cunhado argumentar que não era uma boa ideia, uma vez que a bateria não estava lá essas coisas. “Nem pensar, desliga isso aí”, foi o golpe.

É, os documentos do carro estavam certinhos – até o IPVA estava em dia. O problema era que a habilitação do motorista vencera havia anos, o Chevette estava sem extintor de incêndio, sem chave de roda, sem macaco, sem pneu de estepe, com a luz de freio queimada e assim por diante. Eram umas vinte irregularidades, no mínimo. O correto seria prender todo mundo, para nos dar uma lição de como não andar com um carro na rodovia. Mas o policial deve ter imaginado que qualquer punição não resultaria em nada, olhou para as crianças, alheias no banco traseiro, catarrentas, embirradas, encarou nossos semblantes ainda sujos da pescaria, vermelhos de sol e decidiu que o melhor seria nos deixar partir: “Moço, vá devagar, tenha juízo, o senhor está com crianças aí.”

Queríamos ir embora logo, antes que ele mudasse de ideia, só que, ao tentar a ignição, nenhum barulho, nada. A bateria estava mesmo ruim. Então, não acreditei no que aconteceu. Meu cunhado desce do carro e grita que precisa de ajuda com o Chevette. Quando dois policiais estavam bem próximos, ouvi meu parente repreendê-los: “se vocês não tivessem parado a gente, não precisariam empurrar.”

Comentários

Vi a cena, Whisner. :)
Vicente Lima disse…
Que coisa os culpados ainda foram os policiais! Com essas histórias você pode escrever o livro AS AVENTURA DO GAROTO DE ITUIUTABA. Garanto que compro na primeira edição!
whisner disse…
Eduardo e Vicente, obrigado pela leitura! Vicente, quando editar o livro, vou cobrar heim! rsrsrsrsrs Abraços!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …