Pular para o conteúdo principal

FAÇA O QUE TEM VONTADE
>> Eduardo Loureiro Jr.

Vamos falar de cocô... Sim, cocô. Se eu estivesse em uma praia cearense, curtindo o mar e sendo curtido pelo sol, eu falaria de coco, de água de coco, de brisa, de biquínis, de espuma e areia. Mas cá estou no Planalto Central, em pleno cerrado, e o assunto é com acento: cocô.

Passei uns 30 anos da minha vida fazendo cocô com hora marcada. Entre o café da manhã e a saída para a escola ou para o trabalho, eu ia para o assento do trono do vaso, sempre acompanhado de um livro ou de uma revista. Fazer cocô também é cultura.

Como meus leitores assíduos já sabem, meu proctologista me proibiu esse hábito: "Você tem de escolher entre a literatura e as hemorroidas". Mas só essa semana, meses depois da consulta, é que percebi que o que eu ouvi não foi o que o doutor realmente disse. Ele disse apenas: "Só faça cocô quando tiver vontade".

Eu fazia cocô sem vontade, essa é a verdade. Eu fazia cocô antes de sair de casa para não sentir vontade de fazer cocô na rua. Para que não se repetisse um episódio de infância em que me vi, cagado, num banheiro de escola, sem papel higiênico. Tive que me limpar com a cueca, que ficou abandonada na lixeira. Perdi a cueca e ganhei o trauma, ficando três décadas preso a ele. Agora, por recomendação médica, estou tendo que abrir mão desse trauma, obedientemente.

Fazer cocô só por vontade tem me feito ler menos, mas há algumas compensações. Descobri que as coisas não precisam durar muito para serem boas. Uma rapidinha sem tempo de ler nem uma página de revista pode ser tão prazerosa quanto ler um capítulo de livro. Fazendo cocô só por vontade, fiquei até mais fã de Deus. Que sujeito genial esse que nos faz sentir prazer tanto ao comer quanto a evacuar (ou obrar, como meu pai gostava de dizer). Como na maioria dos dias trabalho em casa mesmo, estou refazendo meu hábito sem correr o risco de passar aperto na rua: às vezes, a vontade vem no meio da manhã; outras vezes, só à tarde. O que eram minutos viraram segundos, ou seja, até tenho economizado tempo com esse fazer cocô por vontade.

Google Images
Estou me sentindo tão bem com a experiência que tenho pensado em estender o conceito para outras áreas: falar só quando tiver vontade, escrever só quando tiver vontade, trabalhar só quando tiver vontade... Mas não é fácil essa transposição porque desconfio que há traumas associados a todas essas coisas também. Será que precisarei da ordem de outras autoridades para me liberar também desses traumas? Que profissional me autorizará a falar só quando tiver vontade? Um fonoaudiologista? E para escrever só quando eu tiver vontade, precisarei do ultimato de um poeta? E para trabalhar só quando tiver vontade, terei de marcar uma hora com o ocioso criativo Domenico de Masi?

Essas coisas de vontade são sérias. Não aconselho o leitor a repetir a experiência sem acompanhamento profissional, pois corro o risco de ser culpado por algum transtorno pessoal, familiar, social ou espiritual pelo qual você venha a passar. Em questões de vontade, desejo, querer, sonhos e caprichos, advirto o leitor de que é melhor tomar remédio controlado, sob estrita recomendação médica. Pois se você começar a chamar a atenção de alguns invejosos por estar mais solto, descontraído e feliz, poderá dar a desculpa de que foi um médico que lhe intimou a só fazer o que tem vontade.

E agora eu peço licença, pois estou com vontade de encerrar esta crônica.

Comentários

Vicente Lima disse…
De muita vontade essa sua crônica Loureiro, mas achei que ia terminar com:
estou com vontade de fazer co......
Parabéns!
Felipe Holder disse…
Obrou bem! Crônica perfeita! ;)
albir disse…
Você tem sorte, Edu. Os médicos são mais de dizer não faça isso, não faça aquilo, faça isso às tantas horas, e volte aqui no dia tal. Só encontro os que me ditam regras, das quais desconfio.
Grato, Vicente. Esse era o final que eu sabia que estava na cabeça dos leitores. Resolvi lhe dar outro de brinde. :)

Grato, meu amigo, pelo comentário também bem obrado. :)

Albir, desejo que você encontre médicos mais generosos. :)
Anônimo disse…
Olá, Eduardo! Gostei muito do seu blog. Estou procurando cronistas e divulgando também as minhas crônicas, publicadas no site Ameixa Japonesa. Caso queira ler, segue o link:
http://ameixajaponesa.com.br/?s=Privacidade
Abraços!
Lucaas ' disse…
Edu, onde está a crônica do " Criando Futuro" ? Eu gosto tanto mais não consigo encontrar :-(
Lucas, não estou lembrado dessa crônica "Criando futuro", nem consegui localizar por esse título. De que ela tratava mais detalhadamente?

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …