Pular para o conteúdo principal

DIA DE MARCINHA >> Zoraya Cesar

Sem mais nem menos, do nada, resolveu arrumar a bagunça da casa. Começou pela estante de livros. E lá em cima, na última prateleira, encontrou uma coletânea de cronistas mineiros, como Fernando Sabino e outros. Cansada antes mesmo de começar a limpeza, desceu da escada, sentou-se no sofá e abriu o livro, aleatoriamente. 

Caiu na história de uma mulher que, ao ouvir do marido que ser traído era a menor de suas preocupações, pois ela já não era nenhum brotinho (linguagem da época), propõe-lhe um passeio, durante o qual provaria o quanto estava errado. Mas ela passa inteiramente despercebida e, ante as provocações do marido, sugere andarem separados, argumentando que a presença dele estava inibindo as aproximações masculinas. Ele caminha atrás dela e vê, espantado, que, realmente, diversos homens olham persistentemente para sua esposa, alguns até viram a cabeça para trás. O que ele não vê são as grotescas caretas que ela faz para chamar a atenção e fingir ser paquerada.

Marcinha ri, nem se lembrava dessa crônica. Ao reiniciar a arrumação, porém, ela sente algo estranho, uma espécie de melancolia mal identificada. Olha-se no espelho, a melancolia transformando-se em susto. Esta sou eu?, duvidou. Eu não dei por esta mudança, tão simples, tão certa, tão fácil: Em que espelho ficou perdida a minha face?, perguntou-lhe Cecília Meireles.

Largou a bagunça para trás e arrumou-se linda, maquiada, bem vestida, uma mulher, pensou e não um pano de chão usado. Bateu a porta da casa e saiu para o mundo, disposta a provar a si mesma que ainda era capaz de chamar a atenção, sem precisar de artifícios careteiros ou outros truques desenxabidos.

Andava lentamente, para ver o efeito que sua beleza causava, mas nada acontecia.  Era como se fosse invisível, pior, como se não existisse. O que estava acontecendo, meu Deus? Estou velha, feia, o que tenho de errado? Há quanto tempo isso vem acontecendo sem eu perceber? Começou a chorar, borrando a maquiagem, inchando os olhos, agora mesmo é que vou parecer um monstro, e chorava ainda mais. Um porteiro ofereceu-lhe uma cadeira, a vendedora da loja ao lado deu-lhe um copo de água, alguns passantes diminuíram o passo, abutremente curiosos. Ela aceitou a ajuda, agradecida. Ainda havia gente boa no mundo.

E ali, largada como uma boneca de trapo numa cadeira de plástico, bebericando uma água com gosto de ferrugem, filosofou que o mundo girava rápido demais, ninguém tinha tempo de notar quem passava ao lado. É isso, pensou aliviada, não sou eu o problema. E preparava-se para levantar, quando toda sua teoria do mundo que gira cai por terra, estrondosa e pesadamente, ao ver que uma menina (ou mulher, hoje em dia é tão difícil distinguir uma da outra) de short curtíssimo e pernas grossas atraía a atenção dos homens que passavam; uma outra, de saltos altos e cabelos ao vento, também.

Marcinha voltou a afundar na cadeira, a se afogar na água, a se consumir por dentro. O problema era com ela. O porteiro pediu licença e foi atender o interfone. A vendedora entrou na loja, a gerente estava chamando. Cada um voltou para o seu papel na vida. Menos Marcinha, que não conseguia se mexer.

Fiquei velha, concluiu. Ouviu claramente a voz da Tia Belinha, querida e morta, afirmando que “A mulher sabe que ficou velha quando deixa de chamar a atenção na rua”.

Arrastou-se de volta para casa, carregando pensamentos sombrios, como fazer plásticas rejuvenescedoras e hidroginástica, associar-se ao clube de velhinhas das vans, morrer amargurada em plena idade madura. Que injustiça, chorava, logo agora que sou independente e livre, pronta, prontinha para sair arrasando por aí, fiquei velha. De que adianta ser bem cuidada, linda, maravilhosa, se ninguém me olha? E se afogava em lágrimas.

Marcinha finalmente chegou em casa, onde misturou-se resignadamente à desarrumação geral. Estou no lusco-fusco da existência, pensou, antes de entorpecer.

Essa história tem dois finais, e, excepcionalmente generosa que me sinto hoje, apresento-as ao Amigo Leitor, para que faça a sua escolha. Mas, ainda generosamente, lembro que o dia da Marcinha chega para todos.

Você estará preparado?

Para os otimistas incorrigíveis, Marcinha deixou de bobagens, deu início a uma nova fase da vida e tratou de ser feliz. Eu poderia revelar que ela arranjou um garotão, mas aí já seria invasão de privacidade. Não conto não.

Para os pessimistas irremediáveis, vulgarmente conhecidos por realistas, Marcinha deixou de bobagens, assumiu que a idade chega para todas, melhor isso que estar morta, e, afinal, se queria tanto chamar a atenção, que pendurasse uma melancia no pescoço. Deixasse de ser assanhada, isso sim. Eu poderia revelar que, com esse comportamento, Marcinha arranjou uma baita de uma artrite, mas isso seria burlar um segredo médico. Não conto não.

Qual o seu final?

Comentários

Anônimo disse…
ah, minha amiga zô, o meu final preferido eu também não conto não, mas outro dia eu bem vi marcinha passando de mãos dadas com um surfista gato rs...
Neysi disse…
Ótima!Estou procurando um terceiro final, se achar venho contar
Mauro disse…
"Abutremente" foi ótimo!!!!
Anônimus Mas Não Mortus disse…
Meu Dia de Marcinha chegou há mais de trinta anos. Ôôô, teteiazinha do papai, não fica triste, não! Para mim, você é a mais enxuta das Certinhas do Lalau. Passa na minha garçoniére mais tarde para tomar uma Cuba Libre, ouvir um compacto do Altemar Dutra... pode ser!? Aliás, vem rápido, que já tão perguntando qual o meu final... se já está próximo... cóf, cóf, cóf.
aretuza disse…
Qual o problema com finais felizes, gente? Quanto mais, melhor!!! Nada de Marcinha velha e acabada!!! Marcinhas todas se pintem e vamos a luta!!!
Erica disse…
Adorei a história. Acho que o final feliz de cada uma das Marcinhas só depende delas. O dia de Marcinha chega pra qualquer uma, mas a sensação de dever cumprido quando isso chega, pode amenizar o peso das artrites, das rugas etc Cada fase da vida é única. Não adianta tentar acelerar o tempo ou viver do passado. Cada momento tem seu valor. O final feliz só se consegue quando a gente aprende a valorizar cada momento como ele se apresenta, superando as coisas ruins e aproveiitando as boas, pois a realidade da vida é essa: a impermanência!
Cecilia Radetic disse…
Oi Zô, sempre ótimas suas crônicas!
A luz estava difusa, mas tenho quase certeza que era Marcinha com um senhor gato, olhando o por do sol no arpoador ontem...
luciana disse…
Mto bacana, o tempo é implacavel, mas cabe a cada um a escolha de como lidar com ele, prefiro, otimismo e bom humor, fica bem mais leve!!!adorei.
albir disse…
Assim, tão bem contado por você, qualquer final é plausível. Até este meu: Ela se sentiu lindona, arranjou uma artrite e uma garotona.
Alexandre Durão disse…
Zoraya. Comentário com atraso: Marcinha descobriu o Yoga, ou o Zen e voltou a ficar bonita, aquela beleza que todos temos mas só conseguimos enxergar quando passamos a respirar melhor. Beijos.
Carla Dias disse…
Adoro como você aborda temas complicados de forma tão leve, mesmo quando o final é feliz, ou pior do que ser logo infeliz, oferece dois desfechos para a escolha do leitor... Que acaba desejando incluir mais uma ou duas opções. E o meu final eu te conto, depois de vivê-lo.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …