Pular para o conteúdo principal

A ÚLTIMA >> Kika Coutinho

O último beijo. O último pedaço do doce, o último par de sapato (no marrom, 37), a última gravidez, o último amor. Todos os últimos carregam consigo alguma melancolia. Até a última bolacha do pacote, ainda que esteja um pouco mole, posso apostar, terá sempre outro sabor. Tem impressa naquele final algo um pouco simbólico, como se ali cerrasse uma oportunidade; ali cravamos um momento único, porque ainda que outro pacote esteja na prateleira — é outro pacote. Aquela era a última. Há sempre certa dor no último, certa melancolia no final, muitas lágrimas na despedida, muita tristeza no que se acaba, mesmo que os dois tenham escolhido seguir caminhos alternativos. Quem não chorou numa separação, por mais amigável que tenha sido? Quem não sentiu os lábios trêmulos ao dizer adeus, ainda que a escolha tenha sido acertada, quem é que não engoliu em seco quando fechou a porta, um aperto fino no peito, uma moleza súbita nas pertas, o coração se esfacelando contido, em mil pedacinhos. Um estouro silencioso dos vidros internos, uma dor sem nome, é a vida, sempre se acabando quando recomeça...

Foi num dia de calor quando o Eduardo, dono desse site, me convidou a escrever aqui. Senti um orgulho indisfarçável, flutuei de alegria, talvez por dias consecutivos, como se uma névoa de afeto me carregasse. De lá pra cá foram muitas, inúmeras crônicas até que, alguns dias atrás, enfim, pedi ao Eduardo que disponibilizasse esse espaço para algum dos tantos talentosos escritores que ele conhece. Não foi sem dor que o fiz, ao contrário. Como numa separação, senti-me um pouco bamba, um bocado sem fôlego, a voz embargava quando pensava no assunto e, ainda assim, tinha a convicção de que me era necessário fazê-lo. Nada de dramático aconteceu, nenhum sinal no céu, nenhum armagedon — como diria Gil. Não, é apenas a vida, o tempo, as escolhas, o foco, a idade, a dieta, os filhos, o marido, o calor, o trânsito, um bocado de cansaço e o trabalho. Ah, o trabalho...

Abandono este espaço cheia de gratidão, cheia de saudade e certa de que não caibo mais aqui, não caibo mais na escrita, talvez ela nunca tenha sido pra mim, mas uma transbordamento irremediável mantinha minhas mãos teclando, semana após semana, como se disso fosse feita a vida, de palavras que, bem agrupadas, faziam um texto. No entanto, não é. A minha vida é feita do trabalho que me sustenta, da minha família, de tijolos e cimento, uma casa como aquela segura, a do terceiro porquinho.

Essa é a minha última crônica e não terminarei a minha fugaz carreira de escritora com adeus, com tchau, nem mesmo com o batido “até logo”. Bem eu que sou tão apegada às palavras, aos sinônimos e ao vasto vocabulário de nossa língua, agora vejo-me quase vazia porque tenho muito pouco, pouquíssimo, quase nada a dizer. A verdade é que, de repente, noto que a única palavra que me vem em mente ao despedir-me desse espaço, desse tempo, e dessa sensação, é simples, tola, quase que usual, mas posso assegurar, poucas vezes a usei com tanto significado e verdade: Obrigada. Profundamente, obrigada.

Comentários

albir disse…
Kika,
obrigado por todas as suas crônicas até aqui. Lamento que esta seja a última dessa fase. Mas consolo-me com a esperança de que seja mesmo até breve. Beijos.
Viviane disse…
E é com os olhos marejados que leio esta última crônica. Logo eu, que a dissemino a tantos outros leitores, que acompanhei as duas gestações, que li, reli e me emocionei diversas vezes...
Eu é que tenho que agradecer por tão bons momentos ao ler suas crônicas e por muitas vezes, me encontrar nelas.
Kika, você que tanto já me fez rir, hoje está fazendo meus olhos molhados nessa secura de Brasília sem que eu precise colocar colírio. As tantas separações que já vivi — de ir e de ficar, de partir e de ser partido — me ensinaram que o melhor é aceitar, mesmo que, nesse nosso caso, eu esteja vendo partir um verdadeiro tesouro. Meu sentimento também é de gratidão pelos muitos e muitos textos maravilhosos que você publicou aqui no Crônica do Dia.
fernanda disse…
Kika, não agradeça, a gente agradece. Muito obrigada por ter partilhado tanta coisa linda com a gente. Você é, e continuará sendo, uma grande cronista.

Beijos!
whisner disse…
Kika, sentirei falta de suas crônicas. Abraços!
Anônimo disse…
Que pena....
Anônimo disse…
quantas vezes me senti ao seu lado,apesar dos 12 mil kilometros que nos separam. Foram as suas letras , palavras e textos que me envolveram e me deixaram vivenciar um pouco da sua vida, com muito orgulho de ser sua irma! Beijos Ci
carla muhammad disse…
Saudades das crônicas da Kika - simplesmente deliciosas de se ler!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …