quinta-feira, 19 de julho de 2012

LISTA DE LISTAS >> Fernanda Pinho




Começou com minha mãe fazendo uma lista de possíveis nomes para mim. Franciane, Cristiane, Paloma, mais uns outros pra garantir, e, por fim, Fernanda que no fundo era o que ela queria desde sempre. Antes ou depois disso deve ter existido uma lista de itens para meu enxoval. O que será mais caro: uma lista de enxoval ou uma lista de material escolar? Porque não demorou e veio essa também. A primeira de muitas. Com a lista de material escolar veio a lista de aprovados para entrar no colégio onde eu estive até sair numa lista de aprovados para o vestibular. Anos a fio respeitando a supremacia da lista de chamada.

Não contentes com as listas que já chegam prontas pra gente, ainda insistimos em fazer outras. Na adolescência, eu tinha verdadeira fissura por elas: lista dos meninos mais bonitos da escola, lista de coisas a fazer, lista dos atores de cinema com quem eu me casaria, lista das bandas/músicas preferidas, lista das pessoas que conheço em comum com minha melhor amiga, lista dos livros lidos, lista dos filmes vistos, lista dos livros e filmes a serem lidos e vistos, lista de coisas a fazer, lista das coisas que odeio. Esta última era atualizada frequentemente e extremamente eclética. Em que outra circunstância a Regina Duarte e picolé de groselha figurariam numa mesma lista?

Na vida adulta, outras listas. Algumas mais elaboradas, outras nem tanto. Lista de "o que levar na mala" em qualquer viagem, lista de contatos (jornalisticamente chamada de mailing), lista de o que fazer antes dos 30, lista de coisas a fazer, listas de espera (sempre aborrecidas, pois nada mais são que filas virtuais), lista negra (para quem tem passado), lista de compras, lista de contas a pagar, lista dos livros lidos, lista dos filmes vistos, lista dos livros e filmes a serem lidos e vistos (e pensar que alguns estão lá desde a adolescência), lista de coisas a fazer e a inacreditável lista de listas que foi o ponto caótico em que eu me encontrei nesse preciso momento, ratificando a natureza humana de complicar o que foi criado para simplificar.
- Lista de convidados.
- Lista de comidas.
- Lista de bebidas.
- Lista de salões de beleza.
- Lista de hotéis.
- Lista de lojas de sapatos.
- Lista de presentes.
E a famigerada e vitalícia lista de coisas a fazer, que atualizarei agora, dando "ok" na crônica da semana. 


Partilhar

5 comentários:

Carla Dias disse...

Fernanda, não vivemos sem uma lista, seja para respeitar o desejo dela ou simplesmente permitir que ela exista por existir. Boas listas nessa vida pra você. Que você possa ticar vários itens. Beijos!

Jujú disse...

Mais do que viciada em listas, eu NECESSITO verdadeiramente delas! Tb sempre fiz e faço listas para tudo! E na organização do meu casório eram listas infinitas. E nada melhor do que dar um check em cada pendência, não? Afinal se tem uma coisa que não gostamos é de pendências para resolver!rs Beijos

Solom ;) disse...

Pode se dizer que a vida é uma lista de comportamentos? Acho que sim! e sua lista tem um ítem interessantíssimo à nós: escrever maravilhosamente.

Eduardo Loureiro Jr. disse...

Fernanda, você está em algumas de minhas listas. :)

albir disse...

Fernanda,
no meu caso eu precisaria acrescentar uma lista de listas abandonadas ou a serem retomadas.