Pular para o conteúdo principal

CHAPÉUS E CARRUAGENS
>> Albir José Inácio da Silva

Catarina, que também é Catá para os amigos, foi às lágrimas com o casamento da quase xará, Sua Alteza Real, a Princesa Catherine – Duquesa de Cambridge. Cavalos, carruagens, palácios e chapéus – muitos chapéus. Não entendia nada da pompa dos cerimoniais, mas os especialistas foram pródigos nas análises que duraram todo o final de semana.

Passado o casamento, a preocupação agora é a gravidez da princesa. Tem que haver um principezinho pra virar rei quando a rainha morrer, o avô morrer e o pai morrer. Mas deve nascer logo senão fica todo mundo nervoso.

Outra obrigação da princesa é não chorar em público. Nem no próprio casamento. De que adianta um casamento daqueles se ela não pode chorar? Catá chorou tudo no seu casamento com Joca, um casamento coletivo para vinte e oito casais promovido pela paróquia. Ninguém se importou: “chora mesmo, minha filha, que casamento não é todo dia”. E tem outras coisas que a gente precisa chorar: velório, nascimento de filho, Dia das Mães, formatura. Não chorar é quase uma condenação.

Disseram que só se pode comer enquanto a rainha estiver comendo. Isso não seria problema para Catá porque sua sogra nunca para de comer. Achou um desaforo que só a princesa é obrigada a usar aliança; o príncipe pode sair por aí todo solteiro. Princesa também não faz compras nem anda sozinha. De que adianta todo aquele dinheiro, se ela não pode ir ao shopping?

Catá ficou sabendo ainda que não se pode desmanchar casamento na família real. Não impunemente, sem cair em desgraça, perder os títulos e ser excomungada.

Ela ficou encantada com o príncipe, uniforme de gala, piloto de avião. Joca pilota um caminhão e, apesar dos protestos de Catá, é muito desleixado. Sempre que pode, ela compra umas roupas, mas parece que não adianta. Tudo nele fica meio torto. Anda se sacudindo que nem capoeira. Não podia andar retinho, cabeça erguida, como um príncipe? Afastou qualquer classificação de Joca numa escala entre sapo e príncipe.

Catarina não dormiu a noite inteira sonhando com príncipes e castelos. Mas o sol trouxe luz sobre seus pensamentos. Gosta de ser plebeia. Pode chorar na hora que quiser. Pode comer quanto quiser. Pode dar um fora na sogra quando precisar. E não é obrigada a assistir, sem crise de riso, chapéus que lembram a arca de Noé.

E o mais importante: se Joca ficar galinha, gay ou violento, leva um pé na bunda e ela continua princesa.

De qualquer forma, virou pro lado e deu um beijo no Joca.

Comentários

Albir, casamento real, real mesmo, é esse da sua crônica, que pôs um sorriso, dois, três, na minha boca. :)
Marilza disse…
É Albir, essa é a realidade de muitos que ainda sonham...rs
albir disse…
Edu, você é um sorrisonho. Abraço.


É, Marilza, um pé na realidade outro na realeza. Humanos...
fernanda disse…
E Kate não pode mais usar bolsas, botas nem esmalte...ah não, sou muito mais ser Catá!

Adorei!
Carla Dias disse…
Albir, adoro a forma como você coloca, em um cenário cotidiano e realista, o glamour real que nada mais é do que histórias retocadas, como se retocam fotos com o Photoshop. No final das contas, a liberdade de ser é que vale a pena, e não falo das que, vez ou outra, aparecem sobre os chapéus.
albir disse…
Fernanda,
ainda bem que a nossa princesa é Catá.

Carla,
um texto cresce quando você o analisa.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …