Pular para o conteúdo principal

ADOLESCÊNCIA >> Eduardo Loureiro Jr.

INSTRUÇÕES PARA LER A CRÔNICA:
0. Leia todas as intruções antes de iniciar, pois, após efetuar o passo 3, as instruções não serão mais visíveis.
1. No meio da parte inferior da telinha abaixo, clique na seta preta virada para a direita.
2. Aguarde um pouco até aparecer, no canto inferior direito, a palavra MORE. Posicione o mouse sobre a palavra MORE.
3. Clique em FULLSCREEN.
4. Use a seta > para a direita > do seu teclado > para avançar.
5. Quando terminar, pressione a tecla ESC do seu teclado para sair.

Comentários

albir disse…
Genial, Edu!
E tem razão: lá como agora, em se buscando, encontra-se. É que às vezes dá preguiça, e a gente acaba ficando com o bom já conhecido. Mas cada tempo precisa ter a sua trilha sonora.
Marilza disse…
Fantástico! tudo! a crônica e a apresentação inédita. Bons tempos não, de aprendizado e descoberta. Com musicas atemporais e nao descartáveis...
Fernanda Coelho disse…
Que prazer, Eduardo, ler essa crônica no início de um dia que promete ser tão bonito.
Quando escrevemos algo, não temos a ideia de como esse escrito vai afetar a pessoa que lê. Sabemos o que ele nos desperta, mas a reação do leitor é imprevisível. E é por isso que acho justo e necessário dar o retorno ao autor.
Muito obrigada por escrever.
Sua crônica é leve, bem conduzida e de um conteúdo simples e verdadeiro. Essas são coisas que prezo muito.
Gostei muito da apresentação do texto. Me embananei um pouco no começo, mas quando peguei o jeito, fui lendo, lendo e quando vi estava no fim.
Mais uma vez parabéns.
Um abraço
Fernanda Coelho
Cleudes disse…
Olá Eduardo, sempre gostei de seus escritos. Tenho comigo até hoje Guerreiros Meninos...Essa crônica está maravilhosa... É isso mesmo, vou vivendo e me achando...
Parabéns!
Alba Mircia disse…
Caraca, véi, que delícia de leitura.
Beijos,
Eduardo!
Estou aqui preparando um feedback institucional para uma empregada e resolvi vir ler sua crônica bem quando ia relacionar os pontos fortes e a desenvolver no critério criatividade. Acho que a empregada vai ser prejudicada depois do que vi aqui. :)
Elisama Martins disse…
Ultrage a Rigor, Djavan e Kid Abelha e Paralamas na mesma lista^^...feliz por estar desde o inicio da minha adolescencia com o PIOR humor musical...foi ele qm me fez feliz na decada de 2000^^
fernanda disse…
Eu passei minha adolescência ouvindo as músicas e os artistas que estavam no topo em 1984, embora eu tenha nascido em 1983. As músicas aí estão, é só saber onde encontrar, né?
Adorei a apresentação!
*Fê* disse…
Edu,
Pra variar: A.D.O.R.E.I!!!
Mas parece que foi ontem esse tal de 1984, não é?
Beijo
É isso, Albir. Cada trem do tempo no seu trilho sonoro. :) Grato.

Bons tempos atemporais, Marilza. Grato.

Fernanda C., é tão bom quando o que toca a gente toca também alguém mais. :)

Cleudes, é tu? Que surpresa boa! Os Guerreiros também já estão Adolescentes. :)

Brigadim, Véia! ;)

Marisa, pelo amor de Deus! Dá um desconto aí na sua empregada para eu não levar esse pecado pela vida afora. :)

Também me surpreendi com tamanha lista, Elisama.

Fernanda, você já nasceu ouvindo boa música, por isso é que é gente boa assim. :)

, "até parece que foi ontem minha mocidade"... :)
Carla Dias disse…
Eduardo, adorei a apresentação da crônica!
Eu concordo com você... Em 1984 ou em 2010, 2011, há muita coisa boa na música. A gente só tem de sber procurar, ao invés de aceitar as paradas de sucesso.
Valdir Jorge disse…
Olá Eduardo!

Gostei muito do texto e a apresentação é sensacional! Valeu!!
Surpresa boa, Valdir. Dá uma olhada lá no prezi.com, é bem facinho de fazer essas apresentações.
Geralda Feitosa disse…
Eduardo Jr.,
BOA TARDE!

EXCELENTE! A CRÔNICA E A APRESENTAÇÃO. EM TUDO, A SUA CRIATIVIDADE, SEU ZELO E SEU
BOM SENSO, RESULTANDO SEMPRE
GRANDES FEITOS.

Abraço,
Geralda Feitosa

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …