Pular para o conteúdo principal

MINHAS MULHERES >> Fernanda Pinho



Tenho muitas mulheres. Muitas e lindas. Coisa assim, para deixar Don Juan envergonhado. E elas são para todos os gostos. Desculpem, meus caros, não quero tirar vantagem, mas vou ter que dizer: tenho loira, morena, mulata, ruiva, japonesa, baixinha, altona, gordinha, magrela, olhos pretos, olhos verdes, olhos castanhos, cabelo comprido, cabelo curto. E tem jornalista, fisioterapeuta, atriz, dentista, publicitária, contadora, vendedora, professora, estudante, dona de casa. Cheias de talentos e cheias de atributo. Mas, posso ser egoísta? O que me arrebata nelas todas nem são seus talentos e beleza física. Claro, tudo isso me encanta. Mas o que me faz ter vontade de estender tapetes vermelhos por onde elas passam é o afeto sem limites que me dedicam. Entre minhas mulheres, tenho quem atenda minha ligação chorosa tarde da noite, se desloca de outra cidade e vem dormir apertada na minha sala de tevê, só para que eu me sinta melhor. Sem perguntar o que houve, sem exigir explicações. Tenho quem se declara para mim timidamente em e-mails que me deixam sem voz, sem rumo, sem palavras. Ou quem se declara escancaradamente escrevendo sobre mim com açúcar e com afeto, internet afora - porque nosso amor é assim, sem melindres e descarado. Tem quem está longe mas vem me visitar via Sedex, materializando tudo aquilo que nos une na forma de um livro, balas japonesas e, diante da impossibilidade de colocar o próprio amor nos Correios, paçocas Amor! É tão bom que surte (quase) o mesmo efeito. Tem quem aceite de bom grado quando eu aviso, sem cerimônias: "tô indo passar o próximo feriado na sua casa". E não é simplesmente questão de aceitar. Aceita e vibra e festeja e pergunta se eu não quero ir antes e reclama que eu já deveria ter ido há muito tempo. E tem quem bate o pé e diz "então eu vou junto com você" e compra a passagem antes mesmo de mim. E tem que vai atrás de mim até quando vou tomar banho, quando não quero fizer sozinha. E tem quem manda mensagem logo cedo pra perguntar se eu dormi bem. E tem quem pinta o meu cabelo pra dar um up no visual e no astral. E tem quem me leva ao cinema e aceita ver filmes que combinam com "meu momento" (terror, claro). Tem quem me oferece diariamente sua casa, seu colo e seus ouvidos. Tem quem me leva pra tomar caipirinha e me lembrar de onde eu vim, quem eu sou e como minha vida sempre foi tão boa. Tenho as melhores amigas, que cuidam de mim como minhas mães. E tenho a minha mãe, que aguenta todos as minhas fases, como minha melhor amiga. 


Imagem: www.sxc.hu 

Comentários

Loreyne disse…
Ai q lindaaaaaaaaaaaaaa, te amo amiga!!!!!
albir disse…
Fernanda,
você deve merecer toda essa bajulação. Que, aliás, como vemos toda semana, é também dos seus leitores.
Fernando disse…
Nandinha,vc é nossa gatinha mimada...
Pra mim uma eterna criança...bjos
Jujú disse…
Amoreeeeeeeeee...

Que linda....só uma mulher especial pode ter esse poder de ter tantas mulheres ao seu lado! Porque vamos combinar? Amizade de mulher sempre é tão mal falada...mas a Ferdi é a prova viva que amigos de verdade não tem cor, raça, nem sexo! Amigo é amigo, ponto final!

Amo vc, minha amiga!

Todos os beijos e lindo dia!
Eu te considero minha assim como você me considera sua. A gente se mistura, não sabe como começou, nem sonha em terminar. Eu te comemoro com festa, bebida, música e poesia, tudo do bom e do melhor, porque você é pura luz, minha amiga. Te amo.
Laís disse…
Que crônica mais linda amiga!!!!
adorei ser citada, obrigada pelo carinho!
amo vc, beijos
Carla Dias disse…
Que bela declaração de amor às mulheres da sua vida! Que bom que elas estão sempre por você. Beijos!
Fernanda, só não vou dizer que a crônica está perfeita porque você "esqueceu" de colocar as fotos das suas mulheres. :) Vi o título em meu e-mail, antes de vir à página, e jurava que ia encontrar uma megafoto retratando você e todas as suas mulheres... Decepcionei. :(
Fernanda Arruda disse…
que linda homenagem, sei como é essa coisa de ter mulheres maravilhosas a nossa volta, sendo mãe ou amigas... saudades dessa sensação! amei o post, Fê!
Marilza disse…
Fernanda! como sempre, arrasou! Lindo post, lindas palavras e mensagem Bjs

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …