Pular para o conteúdo principal

MATERNIDADE [Debora Bottcher]

Eu ia fazer vinte e quatro anos quando meu sobrinho nasceu — filho de um irmão seis anos mais jovem que eu. E quando eu o segurei nos braços a primeira vez (e fui a primeira da família a fazê-lo — depois da minha cunhada e irmão, claro), tive certeza de que ser mãe seria um caminho natural para mim. Três anos depois, o nascimento de minha sobrinha coroava minha convicção.

Mas eu já tinha vinte e sete anos, já tinha sido casada uma vez (fiquei viúva aos 21), e o tempo, aliado à ausência de um amor duradouro, começava a minar essa expectativa.

Toda mulher sabe o que isso significa: há um alarme interno que chamam 'relógio biológico' que, por volta dessa idade, começa a 'bater' mais apressado. Para as mulheres que sonham em ter filhos, essa precipitação interior começa a exigir rapidez exagerada na execução do feito. Isso pode transformar a vida de qualquer mulher num verdadeiro dilema. Sim, porque nessa idade muitas de nós ainda não se firmou profissionalmente, não é totalmente independente e nem sempre está num relacionamento com ares de 'felizes para sempre'. E a agonia se instala: conheci mulheres que se casaram sem amor, com o primeiro que apareceu — literalmente — porque "precisavam" ter um filho urgentemente. É uma fase complicada...

Para mim não foi diferente. Mas perto dos trinta anos eu estava às voltas com a doença terminal do meu pai e isso mudou as minhas urgências, alterou minhas prioridades, transformou minha visão de muitas coisas — inclusive da maternidade. E eu passei a olhar para essa "idéia fixa", peculiar a toda mulher, com mais objetividade, sem romantismo ou ilusão. E aos trinta e três anos, apesar de estar numa relação sólida, decidi: eu não ia ter filhos.

Que ninguém pense que essa é uma decisão fácil. E fica ainda mais difícil quando você se dá conta de que, depois de enfrentar um embate consigo mesma, terá que encarar o mundo, que vai te olhar com um eterno ar de incompreensão e questionamentos velados. É como se essa escolha fosse uma falta grave, um delito, e você passa a carregar uma incômoda obrigação de se justificar. Eu já superei isso, mas foi desagradável por um tempo.

Acho a maternidade um Dom — que não é para todas, mas nem todas têm coragem de assumir. É muito mais do que um desejo, um sonho, uma realização pessoal. É uma responsabilidade imensa: um filho é para sempre e exige de uma mulher, durante toda a sua vida, dedicação e generosidade constantes, uma infinita capacidade de se doar. E sob essa ótica, a maternidade não deveria, nunca, acontecer por acaso, ser uma decisão impensada ou "moeda de barganha".

As mulheres que são Mães, por milagre natural e escolha consciente, sabem do que estou falando. Essas merecem admiração e respeito todos os dias de suas vidas — e não apenas na data comercial dedicada a elas.

Assim eu, uma mortal comum, hoje faço uma reverência e desejo que a Vida proteja sob seu manto essas Deusas Humanas.

Agora e Sempre. Amém.


Imagem: Gustav Klimt, Die Drei Lebensalter (As Três Idades da Mulher (detalhe))

Comentários

Marilza disse…
Concordo com você: a maternidade é um dom e não é pra todas. Só que nuitas não têm coragem de assumir por conta das cobranças, mais externas que internas.
Belo texto.
albir disse…
Emocionante, Debora, a sua homenagem.
Que belo relato, Debora! Quanta serenidade!
Ana disse…
De, que texto lindo, e lucido! Vc de fato caminha com mta sabedoria pela estrada da maternidade... Tanta, mas tanta que poderia jurar que vc tem filhos do coracao, perdidos por ai ;) bjs!
Debora Bottcher disse…
Obrigada, queridos... Vcs são sempre gentis ao me ler... :)
Ana, bonita, esqueci de mencionar, vc sabe: tenho cinco enteados e mais duas 'cãs', ou seja, SETE filhos do coração. :)
Um beijo pra vc, super mãe, e pra todos.
Debora Bottcher disse…
Opa! Fora os netos do coração, que já são quatro! :)))
Mais beijos em todos.
Leticia Bottcher disse…
Então são oito.
porque mesmo tando longe é como uma mae pra mim também.
Te amo muito.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …