Pular para o conteúdo principal

EU QUASE ME ESQUECI >> Kika Coutinho

Eu estava sentada no escritório da minha casa, ao telefone com uma funcionária da empresa para a qual trabalho, discutindo um ponto importantíssimo de negócio. A conversa estava quente, não concordávamos. A moça, na Argentina, me explicava em portunhol que deveria ser assim, que esse era o procedimento desde sempre, enquanto eu, e outras pessoas que participávamos do call, repreendíamos, alegando que isso não era argumento, a carreira de muitos funcionários estava em jogo, os números não nos favoreciam, as políticas não estavam coerentes... Quando, de repente, a babá da minha filha bate na porta.

Ao me ver ao telefone, a moça fala: “Ai, desculpe, você está ocupada...”. Eu, preocupada que tivesse acontecido algo com a minha filhota, cubro o telefone com as mãos e digo: “Pode falar, o que houve?”.
Fico surpreendida quando ela afirma, sem graça: “É que a minha mãe me ligou, minha cunhada acabou de ter neném, lá na Bahia...”. Fico um instante em silêncio. E o que eu tenho a ver com isso? Mas que raios que esse bebê tem que ela interrompe um troço importante desses? Fiquei indignada e sem ação. Bebês não nascem todos os dias, afinal? Olho de novo pra ela, que tem as mãos juntas, nervosa, aperta o indicador da mão esquerda com os dedos da direita. Subo um pouco a vista e noto que os olhos estão cheios d'água. Aí, só aí me dou conta... Meu Deus, nasceu?!

Lembro-me, num instante, de quando ela contou da cunhada grávida, da dificuldade de estar em SP longe da família, sem convênio médico, sem ninguém. A moça não aguentou ficar muito tempo aqui e, já com um barrigão de 7 meses, voltou para a Bahia para aninhar-se nos braços da mãe e da sogra, esquecendo-se do que era a roça, o chão árido, os hospitais precários... A menina ia se chamar Natalie. Ou seria Verônica?

Peço um minuto no telefone. Minha interlocutora argentina não entende, mas eu insisto, tiro o telefone da orelha em definitivo, e vou dar atenção à nova tia: “Que legal, Nete! Que coisa boa! E como está a sua cunhada? Senta aqui, me conte!”. Ela senta, um misto de vergonha e alívio, querendo compartilhar o que alegrava a sua vida. Enquanto enxuga uma lagriminha teimosa, começa a me contar: "A bolsa estourou, o neném é grande, elas estão felizes"...

Eu perdi o restante da conversa telefônica. Certamente teria de me desculpar e poderia ter posto qualquer coisa importante a perder. Mas não importava. Nada era tão importante assim: uma criança nascera na Bahia, uma pequena menina estava, agora, abrindo seus olhos para a vida e enxergando o mundo...

Foi numa sexta-feira chuvosa que a pequena Natalie me tirou do trilho da chatice e da burocracia e me lembrou, de verdade, quem eu sou e o que importa nesse mundo... E eu quase ia me esquecendo.

Comentários

Silvana Nazareth disse…
Realmente Kika, esta crônica nos remete ao essencial tantas vezes esquecido...
Uma bela historia pra se começar a semana!
Ótima semana e obrigada pela lembrança.
fernanda disse…
Ai Kika, que bom que o mundo ainda tem gente que se lembra =)
CMEISAL disse…
Que linda que ficou essa história! Se não fosse tão linda pelo conteúdo e pela lição, seria pela competência com as palavras, muito bem elaboradas. Parabéns por tudo, minha querida. bjs

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …