Pular para o conteúdo principal

JUÍZO FINAL >> Albir José Inácio da Silva

Ainda bem que o mundo não acabou no dia marcado porque eu tinha aí umas pendências. Uns malfeitos pra desfazer, uns pecados pra confessar. E até um menino pra assumir, que Zefa vai pular nas tamancas mas não posso ir assim pro julgamento.

Padre Antônio falou que o mundo vai acabar sim, mas não é agora não, faltam alguns anos. Ele faz cara de que sabe quantos mas não diz. Eu também não acredito porque já peguei outras mentiras dele. Ainda mais depois do que fez com aquela moça, antes donzela, que ele inventou que tava com demônio e ela teve de fugir pro Rio de Janeiro.

Pesa na minha consciência uns palmos de terra do Aderso. Verdade que eu cheguei a cerca pra lá depois que as vacas derrubaram, mas foi pra compensar uns prejuízos. Quantas vezes falei pra tirar os animais do meu sítio e ele não escutou. Mas isso é coisa pouca.

Outra pendência que preciso resolver é aquele moleque, o Dão. Eu já nem o contava mais como pecado, tantos anos sem notícia de Esmeralda que tinha sumido pros lados de Minas. Foi minha sogra, que sabe tudo, o que não sabe advinha, que apontou o molecão na rua:

- Olha ali o filho da pouca-vergonha.

Parecia comigo mesmo. Mas o pior veio no domingo, ele me tomou a bênção na saída da missa, na frente de todo mundo.

A culpa foi também de Esmeralda. Andava me deitando uns olhares, eu já casado. Chamei pra ver um cabritinho doente, que ela tinha muita pena de bicho. Entrou no paiol toda sorriso, cheiro e dengo. Verdade que ela não queria, foi meio à força. Mas ela podia ter gritado. Não gritou.

Tudo isso se resolve. Volto a cerca pro lugar, dou uma desculpa, e Aderso ainda vai me agradecer. Uma tapeada na Zefa, um corte de pano, um pó de arroz, registro o menino, ajudo a acabar de criar que ele também já está grande, e pronto. Até o padre safado vai ter que me dar absolvição. Mais difícil é o caso do Silas, aquele cão.

Veio me desfeitear na beira do rio por causa de uma discussão na bodega do Juca, e foi pra dentro d’água com a cabeça rachada. Ninguém sabe, ninguém viu, mas andaram desconfiando na época. O sargento chegou a perguntar onde eu estava naquele dia. O caso acabou como escorregão e afogamento.

Isso eu não confio de confessar pra Padre Antônio, que já não gosta mesmo de mim e eu posso acabar na cadeia. Tenho que pensar melhor. Talvez eu vá pra Minas, um lugarzinho do interior, fico uns dias, confesso com padre de lá, desconhecido. Uma ofertinha, uma penitência, umas ave-marias, e volto pra cá com tudo resolvido.

Só não posso fazer que nem das outras vezes. Fico adiando, adiando, chega de novo o último dia e me pega de calça curta, cheio de pecados e sem absolvição. Já passei da idade de brincar com coisa séria. Esse mundo é perigoso.

Ainda bem que no céu não vai ter cabocla sonsa, vizinho safado nem cabra desaforado. Nada de filho bastardo ou padre sem-vergonha. E não tem a Zefa falando pelos cotovelos. Eu preciso é ir logo pra lá, sabe.

Comentários

Albir, ainda bem que o mundo não se acabou pra gente curtir mais um dos seus personagens. :)
Marilza disse…
leitura leve,despretensiosa..
taí...gosto dos seus "causo"...rs
Albir:
Que delícia de texto!
Se o mundo acabasse, eu só ficaria bem triste se não tivesse tido a chance de conhecer seus escritos. :)
albir disse…
Edu,
e também pra gente poder dizer "Acaba Não, Mundo!"


Marilza,
eles também gostam de você.


Marisa
Os escritos ficam alegres quando você os lê.
Carla Dias disse…
Albir, o mundo não acabou, mas a gente se acaba ao ler os seus textos. Adorei!
albir disse…
Obrigado, Carla. Beijo.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …