Pular para o conteúdo principal

O PÁTIO >> É do ar do Pátio

O leitor — eventual e desavisado — talvez não saiba que está n'O Pátio. Mesmo o leitor assíduo quiçá não percebe que é um d'Os internos do pátiO.

Começou há uns vinte anos, por volta de 1991, quando um jovem estudante de História, Fabiano dos Santos, resolveu nomear de "internos do pátio" a si mesmo e ao Eduardo, ao Manu, ao Shariff e a tantos outros que passavam tudo que era tempo que não era aula — e até algum tempo que era aula — sentados em bancos de cimento, à margem de um hexágono de tijolos amarelos, à sombra de árvores ralas que usavam a tinta do sol para desenhar figuras abstratas no chão de cimento do pátio interno da Área 2 do Centro de Humanidades da Universidade Federal do Ceará.


Naquele local — simples e até feio (para olhares mais ortodoxamente estéticos) — foram plantados poemas, canções, árvores e amizades que duram até hoje. Ali começaram e terminaram paixões. Ali se cantou e se dançou ciranda. Ali aconteceram exposições e até aulas. O pátio daqueles quatro anos de faculdade é um lugar tão cheio de lembranças que, como diria o cronista, só mesmo beijando-o. E é o que fazemos — nós, os internos — ao revisitá-lo de quando em vez.

Concluída a faculdade, levamos o pátio em nosso peito, mundo afora. Com Fabiano em São Paulo, para fazer um mestrado, deu-se início a uma troca de cartas diárias (quando os Correios conseguiam entregar uma carta simples de um dia para o outro) que gerou um fanzine, os Prontuários d'Os internos do pátiO, e depois um livro contendo cartas de um bando de gente de Fortaleza, São Paulo e até do Pará, que começou a participar da conversa que começou entre Eduardo e Fabiano. O tal livro, "Cartas do Pátio", é assim mesmo como o pátio: feinho e cheio de gente boa, belas conversas e textos inspiradores. Mas na época, 1996, eu, que fui o editor do livro, fiquei muito frustrado com sua feiura, sua parte gráfica: fiquei de mal comigo mesmo por aquele resultado.

Um ano depois, eu descobriria a internet e criaria o patio.com.br. Fui o primeiro interno a entrar no mundo virtual, e me senti meio sozinho on-line. Procurei então fazer com que o site — assim como seu local de origem, presencial — fosse um ponto de encontro de muitos assuntos e muitas pessoas. No início, a seção d'O Pátio de que eu mais gostava era o 5inco, uma seção hoje já desativada, que não recebe mais atualizações. No 5inco, eu entrevistava pessoas famosas e internautas desconhecidos sempre com as mesmas cinco perguntas. Uma delícia — e um trabalhão — atualizar aquilo. Mas o pátio mesmo, o espírito do pátio, ia se construindo de maneira mais sutil em outra seção d'O Pátio: o Crônica do Dia.

Eu havia convidado alguns webmasters (naquela época se usava esse termo) de sites culturais para fazermos um rodízio de escrita: cada um escreveria em determinado dia, ou selecionaria outras pessoas para escrever naquele dia. Esses webmasters e essas outras pessoas, após quase 13 anos de Crônica do Dia, já somam mais de 350 talentosas criaturas, algumas das quais se tornaram internas do meu peito: grandes amigos e amigas que admiro pela escrita e pelo jeito de ser gente.

O Crônica do Dia passou por vários formatos, já teve mais de 3.000 crônicas publicadas e de vez em quando alguém me perguntava:

— E o livro?

Eu tentava disfarçar, mudava de assunto, mas o alguém da vez insistia:

— Tá na hora de fazer um livro juntando os textos do Crônica do Dia.

Com o tempo, fui inventando uma resposta bonita que era mais ou menos assim:

— O Crônica do Dia para mim é pura leveza. Editar um livro dá muito trabalho, e eu não quero estragar o prazer que tenho com o Crônica do Dia.

Mas a resposta de verdade, dentro do dentro, era assim: Eu não tenho capacidade de editar um livro; já fiz isso uma vez e o resultado foi feio; além do mais, é impossível vender mil livros de uma edição independente, vou acabar novamente com algumas caixas juntando poeira e mofo em casa.

Até que ano passado, por algum motivo que ainda não compreendo, resolvi fazer esse primeiro livro do Crônica do Dia. Chamei alguns amigos desses 13 anos, e estamos organizando a coletânea ACABA NÃO, MUNDO, que será lançada em cinco cidades a partir de setembro.

Mas não é do mundo que quero falar hoje. Meu assunto é o pátio. Para testar um site que quero que faça a capa do livro do Crônica do Dia, solicitei a elaboração de um novo logotipo para O Pátio. Num concurso de designers, escolhi a nova imagem que aparece na página inicial d'O Pátio. 

E a ilustradora também deve ser uma interna inconsciente porque foi bem além do briefing e me retornou uma imagem que é a cara do pátio: um rosto feminino, de cabelos esvoaçantes. Uma imagem que É do ar do Pátio, levando folhas e o traço horizontal da letra A. De vez em quando, vou ali n'O Pátio, sentado aqui no banco de cimento que hoje é minha cadeira, e fico admirando a linda cabeleira da árvore do pátio, tomando ar, fôlego e coragem para continuar levando o pátio por onde vou, juntando mais internos, produzindo mais palavras que toquem o pátio interno do peito de quem sempre foi interno e nem sabia — como você, desavisado leitor.


Comentários

Fernanda Coelho disse…
E vejam só que, desavisada, virei interna do pátio...
Nem sempre comento, mas fico aqui, num cantinho, na sombra, ouvindo a conversa de vocês. E isso me distrai, me alimenta de coisas boas. Depois me levando, bato as folhas da roupa e sigo, catanto aqui e ali fragmentos de conversas que, pensados e repensados, viram novas conversas.

Parabéns pel'O Pátio, pelos escritos e pelo livro.

Um abraço
Fê Coelho.
fernanda disse…
Conheci o Pátio quando eu estava na faculdade, talvez, há uns oito anos, justamente por conta das crônicas. Quando eu iria imaginar que aquilo daria um livro e que eu faria parte dele? O mundo dá mesmo muitas voltas, né? Por isso, fica o apelo para que ele continue girando. Acaba não, mundo...
Alba Mircia disse…
Querido,

Que beleza de texto! Me senti em avant-première lendo a Introdução do ACABA NÃO, MUNDO... segurando nas mãos a sua linda capa e me deliciando com o conteúdo desse povo maravilhoso que são os internos d'O Pátio!

Beijos,
Edu,
que bom que você abriu as portas do pátio. E obrigado por ele continuar "pura leveza", mesmo lhe dando trabalho.
albir disse…
O pátio é o espaço da generosidade. Fico feliz de ser um interno.
Marilza disse…
Também virei interna, faço visitas diárias aqui e me deleito. Tinha curiosidade em saber como tudo começou. Agora eu sei!
Debora Bottcher disse…
Nossa, Eduardo, que saudades dos Patios da minha vida - além desse! :)
E o site 'antigo'? Fui lá rever... Que beleza... E uma coisa: na abertura em flash tem um texto: de quem é? Vc poderia me enviar? - se já o tiver digitado.
Adorei essas 'memórias'... Obrigada pelo texto. Beijo.
Gente, estou numa semana sem "pátio". Só "aula", "aula", "aula". :-( Uma correria só! Brigadim pelas palavras de vocês.
Carla Dias disse…
Tão bom ser espectadora e convidada para dar umas voltas no pátio. Você sabe que gosto muito desse lugar que você criou. Obrigada por isso.
Ana González disse…
Agora eu sei que história é essa de Pátio! faltava essa crônica para explicar. Muito bom! parabéns por tudo, Eduardo! Bjs

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …