Pular para o conteúdo principal

POST-IT >> Carla Dias >>


"Life is what happens to you,
While you're busy making other plans"
John Lennon



Recordo-me como fosse filme antigo que assisti, mas sem prestar muita atenção, lamentando a distração ao ver em que final ele foi parar. Recordo-me de algumas poses que, moleca, achava que era coisa de gente grande, então não precisava compreender.

Recordo-me do silêncio quase absoluto das minhas emoções. Quando elas ainda engatinhavam, eram alimentadas por outros, porque ainda não sabiam comer de garfo ou colher. Hoje também uso a faca.

Às vezes, essa recordação é apenas um zumbido baixinho, que atazana um pouco a minha concentração. Como quando estava nessa reunião, ouvindo as mil e uma peripécias comerciais do orador, ciente de que ele trabalhara um tanto para que nossos arranjos comerciais dessem certo. Mas não pude evitar...

Enquanto ele dizia e eu não ouvia, as mãos suadas dele descansando sobre as pernas, e as minhas distraindo as folhas do bloquinho de post-it, certamente pensando por elas mesmas sobre as palavras que desejavam rabiscar. Enquanto ele dizia estratégias eu não as ouvia, na minha cabeça outras ideias faziam festa. E se eu simplesmente me levantasse e fosse embora, sorrindo, porque não sou de deseducar? Se eu simplesmente me desconectasse desse momento e fosse dar uma volta pelo mundo, entregue às surpresas que tantos dizem haver detrás da porta de saída?

E se?

Quem nunca navegou nessas águas?

Mas enquanto ele continua, tão enfadado com o seu próprio monólogo, permaneço onde estou, rabiscando casinhas, árvores e palavrinhas soltas nas folhas do post-it. E penso: poderia escrever um livro inteiro em vários bloquinhos de post it, em diversas cores e tamanhos, colar suas partes em diversos lugares para que as pessoas pudessem encontrá-los e buscar pelo seu começo, meio e fim, encontrando algo muito mais especial: umas as outras.

Uma das professoras de História que tive, na época do colégio, dava suas aulas de um jeito tão apaixonado que não havia como não aprender. Além do mais, tratando-se de História, nada mais lógico do que contá-las, ao invés de nos fazer decorar páginas e páginas de um livro. Havia aquela paixão que fazia os seus olhos azuis brilharem e seus cabelos ruivos e espalhafatosos balançarem todos. Estudar História com ela era quase o mesmo que viajar para aqueles lugares, pertencer àquelas diferentes épocas.

Ouço o moço dizer que melhor mesmo é aplicar meu esforço no que sou capaz de fazer, e não ficar me danando com as experiências. Então, distraio-me com suas mãos sendo jogadas ao ar, como fossem gaivotas endoidecidas.

O que será que elas dizem?

Ainda bem que há pessoas que se interessam pelo que são capazes e ponto. Que conseguem ser específicas, diretas, fazer com que aconteça. Para a decepção desse moço, que parece gente boa, acertado com suas escolhas, eu sou das que adoram experimentar, que não me adapto fácil ao definitivo. E gosto de quem conta histórias por ter se apaixonado por elas.

Penso: uma biblioteca de post-it...

Houve esse moço que saiu de uma reunião chatíssima e foi para casa, ele estava absurdamente chateado. Chegando lá, encontrou a quarta página do terceiro capítulo do segundo livro que chegou ao primeiro lugar colado na porta da geladeira. Apertou os olhos e leu... E tudo mudou. Mudou de um jeito que ele jamais imaginaria ser esse tudo capaz de mudar. Mudou no susto e ele gostou. Ele não deixou de ser quem era. Apenas adicionou às suas certezas um pouco de flexibilidade. E agora ele as vê assim: dançarinas.

www.carladias.com

Comentários

Carla, ter navegado em certas águas só se compara a ler você sobre a navegação nessas mesmas águas e à vontade de continuar navegando. :)
Carla Dias disse…
Eduardo... às vezes, até mesmo quando navegamos nessas águas em barquinhos de papel, a gente aprende que a vida está sempre em movimento. Isso bom, não?
albir disse…
Estamos sempre nos protegendo dos sustos e, consequentemente,das mudanças. Ainda não comemos e já não gostamos. É verdade que coragem também se aprende, mas a vida é curta. Parabéns pela crônica, Carla.
Debora Bottcher disse…
Linda... Vc e o texto. :)
Beijo, moça.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …