Pular para o conteúdo principal

OS 3 PEDIDOS >> Kika Coutinho

Eu estava muito concentrada, de olhos fechados, quando a pessoa já foi dando o segundo nó. “Péra!”, eu gritei. Queria mentalizar com calma. Tinham me dito que aquela fitinha do Senhor do Bonfim era infalível e que, para cada nó, eu poderia ter um desejo. No primeiro, com o pulso esticado enquanto uma amiga amarrava para mim, do alto dos meus oito anos, eu mentalizava com força: “Casa da Moranguinho, Casa da Moranguinho, Casa da Moranguinho." Queria muito aquela casa... Quando permiti que ela desse o segundo nó, parti, ainda em silêncio, para o próximo pedido: “Banco Imobiliário, Banco Imobiliário, Banco Imobiliário”. Respirei, abri os olhos e disse “Está bem”, liberando-a para o último nó, quando eu voltei a cerrar os olhos pensando: “Coleção do pequeno pônei, pequeno pônei, pequeno pônei”.

Pronto. Eu olhei para o meu braço e admirei a fitinha do Senhor do Bonfim com os três nós que reluziam meus desejos mais ardentes, em breve esses sonhos se realizariam.

Ah, esses eram meu principais problemas. Além de, claro, tirar 6 na prova de matemática, não pegar recuperação, poder passar o sábado no térreo brincando ou a última figurinha daquele álbum.

Alguns anos se passaram e, prestes a me casar, eu tinha de cortar um bolo, quando alguém gritou: “Faz um pedido”. Fechei os olhos com força, e pedi que a minha cerimônia de casamento fosse lindíssima. Que as flores estivessem no lugar, que a comida estivesse quentinha, que o padre não faltasse, que a música estivesse animada. Lembrei-me daquela criança com a fitinha amarrada nos braços e achei-a uma pequena tola. Ela achava que tinha problemas, mas não imaginava o que era ter de organizar um casamento, contratar buffet, DJ, coral, decoração. Eu sentia-me cansada e estressada, isso sim era problema.

Hoje, quatro anos e um filho depois, também olho para aquela jovem noiva com desdém. Que boba eu era. Achava-me tão atribulada, sentia meus ombros pesados e cansados e, afinal, quais eram os meus problemas? Do que eu reclamava? Ah, se eu pudesse me ver hoje... Ah, se aquela noiva enxergasse a mulher na qual se transformaria apenas alguns anos depois... Enquanto passo madrugadas acordada cuidando do meu bebê, penso que era ridículo eu achar que tinha problemas. Eu era uma menina jovem, magra, livre. Saia para jantar, ia para a praia quando queria, cinema, teatro, roupas. Quais eram mesmos os meus problemas?

Agora, passeando com a minha filhota no parquinho, tenho que ficar atenta àquela tossinha dela, pensar se mamou bem, se vai dormir direitinho, e, ao mesmo tempo, lidar com a volta ao trabalho, com as contas, com a babá, com a empregada, a depilação, aff, uau, quantos problemas, eu suspiro fundo.

De repente, ainda no parquinho, uma senhora de bengala se aproxima de mim, olha para o carrinho e diz: “Que gracinha”. Eu agradeço quando ela, se apoiando na bengala, sorri, complementando: “Que vida boa, né?”. “Ah, é verdade... mama e dorme” respondi, concordando. “Não, não a dela. A sua...” A senhora falou, batendo de leve no meu ombro e soltando uma risadinha. Fiquei ali, parada, sem resposta. Assisti enquanto ela se afastava para longe, devagar, andando com dificuldade, certamente pensando no quanto foi tola quando era jovem, talvez com o seu bebê pequeno, sentindo-se uma mulher cansada e cheia de problemas...

Comentários

Mais uma crônica clássica, Ana!
E quase me enganou: por um momento pensei que a Sofia não entraria na crônica. :)

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …