Pular para o conteúdo principal

DAS PONTES DE CADA UM [Debora Bottcher]

"Num universo de ambigüidade, esse tipo de certeza vem uma única vez, e nunca mais, não importa quantas vidas você atravesse." (Roberto Kincaid, As Ponte de Madison)

Foi outro dia que assisti, mais uma vez, As Pontes de Madison.

O livro, presente de uma amiga há alguns anos, como sempre, traz passagens que podem ser sentidas com mais intensidade, mas o filme é igualmente belo.

Meryl Streep e Clint Eastwood fazem um casal perfeito e a história é uma dessas que, nesse momento, vou simplificar e julgar debaixo de conceitos e valores menos emocionais. Sim, porque, no fundo, o filme versa também sobre traição.

Não tenho certeza se já o tinha olhado sob esse prisma: normalmente, o amor se sobrepõe aos sentimentos menores. Mas fato é que talvez por já tê-lo visto tantas vezes, lido trechos do romance outras tantas e me emocionado sempre, peguei-me olhando-o com mais praticidade.

O romance entre Francesca Johnson e Robert Kincaid durou apenas quatro dias. Aproximadamente, noventa e seis horas nos muitos anos que viveram separados - antes e depois desse encontro.

A decisão de Francesca congelou esse tempo em suas memórias e isso permaneceu intocável até o fim de seus dias, elevando ambos a uma perfeição que poderia não existir: sem passar pelo cotidiano, sem a rotina e seus entraves, eles não sofreram nenhum desgaste - só ausência e saudade. E para ela, um pouco de culpa.

A traição é uma das quebras mais sérias de confiança entre duas pessoas - passível de superação, sem dúvida, mas uma terrível ruptura.

Fiquei pensando: será melhor passar uma vida inteira sem saber sobre ela - como no caso de Richard Johnson, o marido de Francesca? O fato de se ter uma vida conjugal morna e sem grandes paixões pode redimir desse desvio? Explicá-lo? Quando tal ação pode ser abrandada: quando se ama a terceira pessoa e a entrega não foi apenas uma aventura? Pode o (des) amor justificar a traição?

O filme e o livro são recordes de bilheteria: o mundo todo - eu inclusive - se encantou com a moça de Iowa (de 45 anos) e o fotógrafo hippie (no alto dos seus 52) vivendo a experiência de beleza incomum de um amor que durou décadas enclausurado no silêncio das páginas de três diários. Enaltece-se a atitude de Francesca por permanecer junto ao marido e os filhos para preservá-los, abrindo mão do homem amado.

Mas eu fiquei pensando que talvez não tenha sido apenas isso: sendo uma história verídica, com realidades insondáveis mas não inventadas, talvez ela tenha tido medo; talvez o risco fosse grande demais, afinal; talvez ela tivesse dúvidas e preferisse a segurança de sua fazenda no meio do nada a angariar terras além das cercas onde nada mais era certeza.

O desconhecido pode nos paralisar. É sempre mais fácil continuar com o que conhecemos; arriscar um salto no escuro é só para os muito corajosos - às vezes, pode ser mais simples viver com o que poderia ter sido, o que não se viveu - porque isso nos protege de qualquer frustação. E o sonho, tal como em As Pontes de Madison, fica intacto da maneira como foi concebido.

Comentários

Anônimo disse…
Ola debora
Há onze anos, levando minha filha ao medico, assim q a porta abriu-se tocaram todos os sinos, fiquei primeiramente encantada pela beleza, posteriormente pela delicadeza, obviamente pela inteligência e um algo mais q ninguém sabe esxplicar, foi tudo mto velado, percebia o entusiasmo qndo me via adoravamos conversr, depois de 5 anos mudei de cidade, mas nunca perdi o contato, e sempre com respeito e mto carinho...ha um pouco mais de dois anos descobri q estava c uma grave doença, mais uma vez confidenciei e comecei a entrar em um jogo onde queria deixar claro q o desejava, assim chegamos a nos encontrar e concretizei o q tanto desejava, nossa quimica foi incrivel, mas por mais q nos desejamos temos nossas familias, jah dura masi de 1 ano, continuamos em contato, sem arrependimento ou culpa, sinto-me como sophia aguardando as cartas do seu filosofo, e que dure o qnto deve durar...mas n tenho duvida da minha paixao absoluta por esse homem encantador e enigmatico q surgiu em minha vida...
Anônimo disse…
...concordo..
Debora, esse é um daqueles assuntos em que ter vivido muda bastante nosso ponto de vista, mostrando que a vida - e nós mesmos - somos mais surpreendentes do que pensamos. Engraçado é que passei a semana passada pensando nesse filme.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …