Pular para o conteúdo principal

LIVROS, FILMES E DISCOS
>> Eduardo Loureiro Jr.

Tem coisas que já nascem importantes, outras surgem sem pretensão.

Filhos, por exemplo, costumam nascer cercados de importância e preparativos. São um sucesso de público meses antes de estrear realmente. Árvores, pelo contrário, nascem sem alarde. O que não impede que haja filhos-surpresa, para os quais todos os envolvidos estão despreparados, ou árvores cujas sementes são plantadas com pompa e circunstância.

Na minha vida, quase tudo que tentei iniciar com festa e estardalhaço resultou em fracasso, no máximo tornou-se uma coisa comum. Os grandes projetos, os amores platônicos, os filhos planejados... ficaram engavetados ou não tiveram repercussão, não chegaram às vias de fato ou viraram desilusão, enfrentaram obstáculos demais e, mesmo se realizados, não havia o que comemorar: o cansaço era sempre maior que a alegria.

Quase tudo de bom que me aconteceu começou sem ostentação, sem barulho. Da maioria, não guardo sequer a data de início. Muitas vezes, não houve sequer qualquer tipo de planejamento ou projeto. Meus amigos, em que dia conheci cada um deles? Não lembro. Quando muito, tenho ideia do ano. E nunca começou assim: "vou ser amigo de fulano". Simplesmente acontecia. Minha já não tão pequena mas cada vez mais querida Julia... sim, sei a data de nascimento. Mas, quando ela surgiu, eu nem desconfiava da importância que ela teria na minha vida. Veio de mansinho e tomou conta de meu coração. Este site, o Crônica do Dia, a que dei início há mais de dez anos... O início está marcado porque a memória da internet é boa, muito melhor do que a minha. Mas eu jamais imaginaria então a quantidade de gente que passaria por aqui, como autor e como leitor, muito menos o significado que ele assumiria para mim: um lugar de expressão e exercício da escrita, um mirante para a qualidade literária desses meus amigos de letras.

Falo disso tudo porque dia desses dei início a uma nova atividade sem qualquer badalação. Chamei meus amigos Ota e Carla — Otacílio Batista e Carla Dias (essa vocês conhecem) — para fazermos juntos um blog com dicas de livros, filmes e discos, para deixarmos um rastro de nossos encantamentos com as artes da literatura, da música e do cinema. Talvez não dure, talvez a gente se canse, talvez pare de fazer sentido... mas por enquanto estamos lá, compartilhando o que temos lido, visto e ouvido.

Sei que dicas de livros, filmes e discos é o que não falta em tudo que é portal e jornal. Mas talvez tenha um amigo ou outro que queira saber o que estamos admirando pra admirar também. Como diz Bartolomeu de Campos de Queirós, "bonito é tudo aquilo que eu não dou conta de ver sozinho". Assim são esses discos, filmes e livros. Beleza demais só pra mim, pro Ota e pra Carla. Então essa crônica é um convite: http://livrosfilmesediscos.blogspot.com

Venha dar conta dessas belezas com a gente.

Comentários

Amei,como sempre adoro tudo que você escreve! Também acredito que tudo que é muito planejado não dá muito certo,existe exceções é claro...mas o que acontece inesperadamente sem que seja planejado,esses sim, são inesquecíveis ,assim como a felicidade que chega devagar,com calma, com tranquilidade! Desejo ainda mais sucesso para este site, seus autores, seus projetos e obras!
Nunca deixe de compartilhar o que é belo!
Beijos.
Grato pelo carinho de sempre e pela bênção, Pensamentos Soltos.
albir disse…
Edu,
já fiquei freguês. A Carla já nos prestava esse favor de vez em quando aqui. Agora vira leitura obrigatória essa página.

Queria saber como é que vocês conseguem ensinar generosidade, mesmo sem escrever sobre ela.
Abraços.
Anônimo disse…
Cara, você escreve bonito, bonito mesmo. Sabe o que eu acho? Que o mais bonito é o mais simples. Cada vez mais acho isso. Sobretudo na literatura. O que é escrito com simplicidade e despojamento é que leio com prazer.

abração,

felipe peixoto
Carla Dias disse…
Eu estou adorando...

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …