Pular para o conteúdo principal

AS BAILARINAS >> Carla Dias >>

Sonhei com bailarinas — delicadamente despenteadas — a sapatear sobre poças. Seus olhares eram brilhantes como o sol que despontava de fundo, clareando um cenário de saltos e rodopios. Não havia música... Ouvia-se somente a respiração compassada das bailarinas, como fossem palavras arrancadas de seus segredos.


Eu estava sentada numa cadeira, defronte ao espetáculo, as pernas cruzadas e a paciência ao meu lado, apontando os melhores momentos das meninas que tanto diziam sem mexer seus lábios; que faziam seu show de dança ainda que na falta de música.


A paciência, que em meu sonho era uma senhora muito educada e sábia, sorria o tempo todo. Eu não... Os lábios contraídos, a feição remexida pela preocupação, os dedos tamborilando sobre os braços da cadeira.


Ela me explicava que aquelas bailarinas eram de uma coleção de porcelana de uma mulher que viveu há muito tempo e que, depois de deixar seu corpo físico, resolveu morar nas suas pequenas companheiras. Então, apesar de tantas bailarinas a fiarem o espetáculo, era somente o espírito dessa mulher que lhes dava vida, como se ela tivesse se fragmentado e agora fizesse parte de um quebra-cabeça formado por mocinhas assustadas, silentes, os cabelos delicadamente despenteados.


As bailarinas continuavam sua coreografia e a Dona Paciência me fitava com... Uma paciência daquelas. E então as meninas de porcelana pararam e permaneceram estáticas, olhares injetados. De acordo com minha companheira de sonho, era nesse momento em que o espírito da mulher que habita as bailarinas as deixava descansar, cuidar dos pés fragilizados.


Acontece que as bailarinas interromperam o espetáculo justamente quando eu começava a decifrar os seus diálogos. Quando a curiosidade e a sofreguidão, por não saber o que e quando, seriam sanadas. Levantei-me da cadeira e murmurei desapontamentos. Cerquei as bailarinas com meus próprios rodopios, lamentando a ausência de vida nelas. Acusando-as de não serem capazes de terminar o que começaram. E o sorriso alentador da Dona Paciência me tirava do sério.


Eu ainda expurgava descontentamentos quando elas retomaram seus passos. Os braços jogados ao ar, a coreografia desalinhada como seus cabelos. Não consegui sair do cerco das bailarinas, e a única forma que encontrei de sobreviver a tal episódio foi me juntar a elas.


Eu escutava somente o som dos pés sobre o assoalho, o ritmo marcado pelos saltos. Sutilmente, passei a assimilar esses sons a uma melodia que vinha não sei de onde. Também passei a ouvir tambores... Que na verdade eram os nossos corações batendo num mesmo compasso.


À nossa frente, a Dona Paciência sorria uma amabilidade que pouco se vê por aí. Eu não conseguia tirar os olhos dela, daquela senhora com faces coradas, como se tivesse acabado de cometer uma traquinagem. E, aos poucos, passei a ter por ela o afeto de quem descobre que é preciso muita serenidade para não cometer a injustiça de definir a realidade somente a partir das nossas próprias conclusões.


Aos poucos, foi ficando mais fácil acompanhar as bailarinas. Minhas faces não se tornaram alvas e frias como as delas, tampouco meus cabelos se desalinharam de forma tão ingênua e bela. Entre elas, eu era uma diferença necessária, uma variação que completava a canção secreta e que emocionava profundamente aquela senhora sentada defronte a nós.


Imagem: The Dancers / Edgar Degas

Comentários

albir disse…
Carla,
que riqueza é viajar no seu sonho.
Carla, suas palavras são mesmo de sonho.
Carmen Novo disse…
Belíssima imagem a de suas bailarinas dançando, sem música, sobre poças d'água.
Carla Dias disse…
Albir e Eduardo... Meus sonhos estão sempre de portas abertas, cadeiras disponíveis, espetáculo no início. Sejam bem-vindos.
Carmen... Vindo de você, quem tem o olhar para as imagens que dizem tanto, o comentário me comove de um jeito PB de ser, mas com direito a todos os tons de cenário : )

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …