Pular para o conteúdo principal

DESAPEGO >> Kika Coutinho

Estar grávida é desapegar-se. A gente começa se desapegando da cinturinha fina, das roupas da moda, do visual impecável. Aos poucos aceitamos calças jeans com o botão aberto e, se bobear, fazemos de conta que não notamos o próprio zíper aberto aparecendo, enquanto não cedemos aos velhos e bons moletons.

O desapego da beleza é o primeiro que aparece quando não podemos mais tingir o cabelo, fazer uma progressiva, nenhum bronze artificial. Nada pode ser muito artificial quando se está grávida, porque os artifícios nos são negados, um a um.

Desapegamos das aparências também quando vomitamos em público, fora tudo o que se torna incontrolável diante — pelo menos — do marido.

Nos desapegamos um pouco do emprego e dos horários que ele nos impõe, porque o sono torna-se a prioridade absoluta. Nos desapegamos de parecer inteligente numa reunião, porque a preguiça e o cansaço nos fazem ver que ser inteligente é a maior bobagem do século. Ser bonita, então, é uma idiotice completa. Bom mesmo é ficar quietinha vendo a barriga crescer, tal qual uma vaca ou uma égua. É, nos sentimos totalmente bichos nessa fase e desapegamos um pouco dessa condição estúpida de ser humano. Que ser humano que dá leite, gente? Qual?

Desapegamos das condições exigentes de higiene que nos impúnhamos antes. Você não vai a banheiro público? Espere até ficar grávida. Você tem nojo de banheiro de rua? Pois vai desapegar desses nojinhos e achar um banheiro de casinha, daqueles horríveis de festivais, como um oásis em meio ao deserto. Essa necessidade absurda de fazer xixi nos faz ficarmos desapegadas de bobagens. Eu, pelo menos, já sei a rota de todos os banheiros da minha região. Sou capaz de identificar, num raio de 50km, os banheiros mais próximos. Todos serão ótimos. Estou pensando, inclusive, em fazer um guia, tipo aquele da Vejinha: “Comer e beber, os melhores restaurantes de SP”. O meu vai se chamar: “Xixi e cocô, um guia dos melhores banheiros da capital”. Eu não faria isso antes. Nem falaria uma coisa dessas. Mas agora... Desapeguei.

Desapegamos do nosso próprio umbigo, desapegamos de ir a festas chatas, desapegamos de obrigações sociais que se tornam absolutamente sem sentido.

A gente desapega até da gente mesma, das próprias dúvidas e inquietações. No início toda grávida pira com qualquer dorzinha — “ai, senti uma pontada aqui” — e corremos para a internê para ver o que pode ser, perguntamos para as amigas e ligamos para o médico: “Dr, é urgente, senti uma pontada”. Depois vai passando o tempo e a gente desapega. Sente uma dor forte na costela e diz para si mesma, enquanto come mais um pedaço de bolo: “Não deve ser nada”. E não é. Desapegamos porque confiamos.

O desapego é sinal de que o que não importa está no lugar do que não importa e, aos poucos, todo esse desapego vai dando lugar a um novo apego. Um apego pelo que, de fato, importa: esse pequeno peixe que chuta sem parar dentro de nós. O resto? Todo o resto é bobagem...

www.embuchada.blogspot.com
www.docerotina.blogspot.com

Comentários

Juliêta Barbosa disse…
Ah! Kika,como seria bom se pudéssemos - de fato - aplicar esse desapego em todas as áreas da nossa vida. Pena que vida real seja tão diferente dos sonhos...Haja cobranças!
Ana, agora é oficial. O Verissimo não está mais sozinho em seu reinado de Melhor Cronista do Brasil. Você é a Rainha. Não vou esperar que você escreva mais algumas dezenas de crônicas maravilhosas para coroá-la. Seus textos, que já beiravam a perfeição, tornaram-se sublimes com sua gravidez. Seu jeito de escrever emociona, faz rir, pensar, dispensar, desapegar de tudo e se apegar só às suas palavras encarrilhadas. De seu humilde vassalo, e fã nº 1, Majestade.
albir disse…
A gravidez é mesmo um momento mágico: produz filhos e ensinamentos.
E lindas crônicas.
Debora Bottcher disse…
Que coisa boa, isso, não? Um aprendizado... Eu, que nunca tive filhos, aprendi de desapego de outra forma. Mas essa é uma lição e tanto... :)
Super beijo.
Monica disse…
Linda crônica Kika!
Que esse exercicio deixe você bem livre para apegar-se ao(à) seu bebe.
Feliz espera!
Monica
Anônimo disse…
Meu.... maravilhoso!
Estou entrando no mundo da crônica agora.... por causa dos meus alunos. Lí algumas por aí, mas apenas 2 suas já me surpreenderam.
Demais!!!!
Parabéns!

Sds!
Eliane

PS: Pena q pra 5ª série essa não teria o mesmo efeito q causou em mim.... vou usar a do "Nomes e seus donos" mesmo...rs. Obrigada!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …