Pular para o conteúdo principal

CORAÇÃO PARTIDO >> Carla Dias >>

A nós que não evitamos os afetos,
mesmo quando dolentes.


Não há remédio para coração partido, mas houvesse e fosse possível comprá-lo nas drogarias, nas casas de ervas, nos supermercados, nas bancas de jornal, certamente seria um produto que enriqueceria seu criador.

Coração partido dói de um jeito que quase nada do que se sente cabe em palavras. Na verdade, tirando aquele que se propõe a ouvir as dolências confessas de um coração partido, há pouco que o outro diga que o faça se sentir inteiro.

Leva-se muito tempo para colar um coração partido, e sempre restam saliências, como as costuras de uma cirurgia que resultou em uma convalescença repleta de cuidados e limitações. Coração partido posa para fotografia todo choroso, como se uma flecha o atravessasse, impregnando esse pobre coitado de mais ausência e ansiedade.

E o coração se parte em muitos momentos, como quando percebemos que o que sonhamos ser um dia, com aquela determinação de quem foi criado para crer que tudo é possível, nada mais era do que uma venda que nos impedia de compreender que nem tudo é possível, por mais força de vontade que possamos empregar em tal desejo. Obviamente, há neste caso doses honestas de desejo pungente de que sejamos felizes, quase sempre oferecidas pelos que nos cuidam. Às vezes, até mesmo as boas intenções partem nossos corações.

Um coração partido perde o rumo com tanta frequência que acaba se tornando adepto da solidão como escape. E pela casa ficam espalhados os livros que desejava ler, como fossem toques sutis de um desapego imposto; as cartas fechadas, os armários escancarados, a comida no prato, a bebida no gole, telefone fora do gancho, o desespero nas lágrimas.

O coração partido é personagem principal de muitas das nossas decepções, mas também das descobertas, como quando alguém aponta uma violência sem tamanho e nos pegamos assim: de coração partido ao percebermos que ela existe.

O coração que se parte por amor é dos mais chorosos. Dá sempre de nos colocar nos cantos das casas em festa, no lugar do personagem traído do filme, na poesia mais profunda e melancólica impossível. Há momentos em que se sente tão animado que acredita que o pior já passou. Mas basta cruzar com quem lhe partiu o coração para que se compreenda: leva tempo para se acomodar um coração partido no peito. Tempo demais para permitir que nossa alma o receba de volta. Mas é um tempo que acontece.

Pensando bem, o criador de um remédio para coração partido poderia apenas flertar com a possibilidade de sucesso, mas não o alcançaria com tal invenção. Um coração partido remete a uma experiência que, antes de se tornar a ausência do outro, era sua presença. E por nele viver, também a ele ofereceu o aprendizado ao trançar sua história na dele.

Coração partido é sinal de que vivemos. E por mais que pareça o contrário, haverá o dia em que não será dolorido passar os dedos sobre as cicatrizes. Em que elas serão apenas o mapa de uma vida sendo vivida sem o medo de se entregar ao sentimento.


Comentários

Que lindeza, Carla! Você pegou uma expressão que já se tornou um clichê e a rejuvenesceu. E me fez perceber que meu coração continua partido. Grato pelo acesso a esse sentimento.
albir disse…
A dor dói menos quando a Carla escreve sobre ela.
Carla Dias disse…
Eduardo... Que os bons ventos sempre acompanhem os de coração partido.
Albir... Escreverei sempre, então : )
Anônimo disse…
texto tão bonito, Carla.
<3
Carla Dias disse…
Anônimo... Muito obrigada!
Anônimo disse…
boa tarde ... venho apenas informar a autora do texto que este foi usado no concurso de Tabaporã MT pela empresa ATAME, sem colocar as devidas informações do texto, como o titulo, fonte e autora. Não atribuindo a autoria do texto, confirmando plagio.
finalizo parabenizando a autora pelo texto maravilhoso, muito lindo!!
Anônimo disse…
informo tbm que este concurso foi realizado pela prefeitura municipal de Tabaporã pela empresa ATAME, neste domingo dia 25/02/2018.
Prof. Cézar A. Borges disse…
Srª. Carla Dias, meu nome é Cézar Afonso Borges, sou professor de Língua Portuguesa e responsável pela construção das questões de linguagem do Grupo Atame. Recebi o comunicado de pedido de esclarecimento sobre o uso de um texto que foi retirado da Rede Mundial de Computadores para a confecção de uma prova.

Nos anos em que trabalho nessa empresa, retiramos da Internet textos, verbais e/ou não-verbais, para basear nossas questões, com o cuidado de atribuirmos, a quem de direito, a autoria. Por um descuido meu e do grupo de revisão, o seu texto não recebeu o devido tratamento bibliográfico. Pedimos sinceras desculpas pelo ocorrido e por qualquer prejuízo que este ato possa ter causado. A escolha dos textos é sempre criteriosa, visando a uma obra de qualidade, com leitura apropriada a quem vai realizar a prova, fatores que se encontram em sua crônica em abundância. Compromete-mo-nos a divulgar em nosso site e nos locais apropriados nossa retratação.

Mil desculpas!!!



Prof. Cézar A. Borges

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …