Pular para o conteúdo principal

IT >> Carla Dias >>

Escrevi uma longa crônica sobre um assunto que vem me incomodando, algo ligado à rotina. Quando cheguei ao final do texto, já havia desistido dele.


Pode ser que meu “it”, sobre o qual Clarice Lispector discorre com graça em seu belíssimo “Água Viva”, não seja dizer as coisas cotidianas com a habilidade que presencio em tantas crônicas de autoria dos companheiros da sala de estar do Crônica do Dia. Meu “it” pode ser outro, e morar num canto onde o cotidiano tem cores e cheiros vindos dos arrabaldes da terra das metáforas.


Um alguém me disse, certa vez, que eu era extremamente dramática. Nunca entendi muito bem de onde ele tirou isso, porque sensibilidade para sacar quando estou sendo enrolada não é o mesmo que dramaticidade. Talvez para ele, acostumado a não se envolver demais com as outras pessoas, o peso de uma possível conexão verdadeira tenha gerado o drama que ele delegava a mim. Mas a verdade é que não consigo ver a vida com a frieza que, vez ou outra, é extremamente necessária. Com a distância desarmada de emoções.


A crônica executada falava sobre essa necessidade de levar as situações com distanciamento, como que desempenhando um papel. Eu acredito nisso, que nem sempre podemos ser quem somos, ainda mais quando se trata de trabalho, de lidar com universos outros que não os nossos. Porém, a cada dia tem sido mais difícil desempenhar esse papel. Há esse cansaço que me pegou de jeito e que não me permite ser tão eficaz quando se trata de atender a protocolos, vivenciar currículo. Estou nesse momento em que não gostaria de ser mais ninguém, além de mim mesma, com todos os adjetivos que me cabem, com minhas inquietações e sossegos.


Vou ter de pensar um pouco mais a respeito, revirar as gavetas interiores, colocar na balança dos desapegos o que posso realmente deixar de lado, neste momento. Assim como somos obrigados a limpar aquele quartinho de bagunças, antes que se torne impossível fechar a porta, acredito que tenhamos de também dar uma geral na nossa alma e na nossa realidade, de vez em quando.


Eu comecei essa arrumação dando fim na crônica que escrevi antes dessa. O que virá a seguir, sei lá, como sei lá uma porção de outras coisas que insistem em se manter no mistério.




www.carladias.com
www.osestranhos.com
www.talhe.blogspot.com

Comentários

Juliêta Barbosa disse…
Carla,

Essa crônica tem gosto de fruta madura, colhida no pé. Que delícia! Li, reli e fiquei, ainda, com água na boca...
Que bela arrumação! Por favor, continue... Nós agradecemos!
Carla,você é surpreendente! A propósito, não achei seu livro na Saraiva aqui em Ctba. Será que é só pela internet? Acho que não!...se os curitibanos forem espertos, já esgotou a primeira tiragem. :)
Carla Dias disse…
Juliêta... Quanta gentileza a sua por participar dessa minha arrumação. É sempre bacana quando alguém chega e se senta debaixo da árvore e suas palavras dependuradas.

Marisa... Obrigada!
Pois é... Por enquanto, a venda é só pelo site da Saraiva ou da Bookmix. Mas confesso que adorei a ideia de a tiragem ter esgotado : )
Gostei dessa crônica desconstruída. :) Bem-vinda ao Reino do Sei-Lá. :)
Carla Dias disse…
Ah... Tem tanto mundo/gente/coisa/planta/sonhos/travessuras/amores bons nesse Reino do Sei-lá... Vou ficar mais um tempo por aqui :)

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …