Pular para o conteúdo principal

VOCÊ SABE O QUE É ISSO?
>> Felipe Peixoto Braga Netto

Todos sabem que o Brasil é conhecido por ter três coisas excelentes: futebol, samba e parlamentares.

É, resto do mundo, pode ficar com inveja, eu deixo. Fazer o quê? Somos um povo privilegiado. Hoje não falo do futebol nem do samba. Quero falar apenas dos notáveis parlamentares que você pode ter a honra chamar de seus.

Não falo dos federais. Esses são sublimes, ninguém discute. Mas não menos brilhantes são os admiráveis membros de uma câmara municipal no interior do Rio Grande do Norte. Todo mundo sabe que lá não há problemas, imagina. Os serviços públicos funcionam muito bem, não há corrupção, não falta remédio nem nada. Igualzinho ao resto do país.

Pois bem, nesta Suécia tropical, faltando o que fazer, os nobres vereadores resolveram inovar. Querem instituir o teste da goma. O leitor não sabe o que é isso? Bem, vamos lá. Hoje em dia é preciso explicar tudo.

Disseram que um dos vereadores era gay. Este, acusado, levou o assunto ao plenário. Seus colegas de partido (partido político, não pense bobagem) apoiaram o vereador chamado de gay, e tanto apoiaram que um deles, em aparte, sugeriu que o vereador fosse encaminhado ao ITEP (também não sei o que é), em Natal, para que fosse submetido a um "exame de conjunção carnal via reto", para provar que não tem nenhuma "prega quebrada".

Depois de feito o exame, sugeriram os colegas, ele, o acusado, processaria o radialista que o acusou. Mas houve outro aparte. Um vereador, do mesmo partido, não deixou por menos: sugeriu que a medida fosse geral, para todos os vereadores. Aí o barulho foi grande. A maioria dos vereadores não quis passar pelo teste da goma.

O vereador acusado disse que ia, que por ele tudo bem, desde que seus colegas também fossem. Aliás, não só os colegas, os radialistas dos programas policiais também, principalmente o que o acusou.

Muito bom! Eu sou fã do parlamento brasileiro. E ainda existe quem fale mal, veja só. O mundo é injusto, o mundo é perverso, é muito triste, os talentos não são reconhecidos mais. O pior de tudo: o brasileiro, esse povinho ingrato, não sabe valorizar os admiráveis parlamentares que tem.

Comentários

Anônimo disse…
Cara, não to acreditando nisso!
Carla Dias disse…
OK... Fiquei sem palavras.
Kelisson Nogueira disse…
Só pra esclarecer, ITEP significa: Instituto Técnico de Polícia.

E, sim, sou de Natal-RN

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …