Pular para o conteúdo principal

TRAUMAS >> Kika Coutinho

As mães sempre sonham com aquilo que deixarão para os seus filhos. Sonhamos com o que ensinaremos a eles. Se saberemos mostrar-lhes o caminho da justiça, da generosidade, do caráter firme e da lealdade aos seus. Se conseguiremos deixar para os nossos pequenos bons hábitos, boas atitudes para com os outros, para com o planeta e — principalmente — para consigo próprio. É normal pensarmos se acertaremos mais ou se erraremos mais, no entanto, as lições a serem ensinadas estão todas aí. Caminho de valores, de alegria e de bem é o que desejamos — quase sempre — que nossos filhos herdem de nós.

Mas não só de virtude é feito o legado de um pai para o seu filho.

Eu perguntei recentemente ao meu marido que traumas será que deixaremos à nossa filha. Ele não gostou da pergunta. Sentiu-se agredido, e achou-me por demais pessimista. Mas a conta é muito simples. Se os nossos acertos deixam o bem, e sabemos que nem só de escolhas acertadas vivemos, nossos erros deixarão algo não tão bacana. Pedi que meu marido olhasse em volta. Para os nossos amigos, familiares, conhecidos, para nós mesmos. Todos temos os nossos traumas e dores que resultaram de escolhas e atitudes não tão bem sucedidas de nossos pais.

Se não os vemos, é porque não enxergamos de perto o suficiente. Talvez estejamos míopes, mas ponha os óculos e admire a sua melhor amiga ou o seu primo. Eles também sofrem os erros dos pais deles. Não são crimes bárbaros... São erros de quem queria acertar. Achavam que esse erro não causaria mal aos seus filhos, ao contrário, tantas vezes pensavam que era um bem que lhes faziam. Aquela mãe que ensinou a competição e errou um pouco a mão, o pai que pesou demais no ensino da ambição; sempre queriam acertar. Ou, então, achavam que não chegaria no campo de visão dos filhos uma ou outra bebedeira a noite, um ou outro vício no jogo (ou no que quer que seja), uma ou outra dívida no banco, uma ou outra traição à esposa...

Achavam que deixavam na soleira da porta o que faziam de errado. Achavam que uma criança ou um adolescente não escuta ou não enxerga o que está diante de si e, assim, sem querer, deixaram aos seus filhos alguns medos, algumas decepções, outros tantos traumas.

Meu marido não se convenceu, mas eu ainda acho que é melhor assumir o óbvio: na mesma medida em que posso deixar a minha filha o bem, como mãe também posso dar-lhe tristezas e, sabendo do meu poder, prefiro manter os olhos abertos e a soleira da porta bem limpinha.

Comentários

Bia disse…
É, minha amiga...vou te falar que isso é o que mais me dá medo quando penso em ter filhos.
Penso se conseguirei ensinar o caminho do bem para que meu filho fique longe dos vícios, penso em como o mundo estará daqui a 20 anos pq se hoje já está violento, imagina daqui uns anos....

Morro, morro de medo de ser responsável por colocar uma pessoa nesse mundo louco.
Todas as mães são corajosas demais.

Beijos pra vcs!!

Bia Barino
Ana, dos males que você deixará — concordo com você — para a sua filha, o maior deles será escrever tão bem. Já fico imaginando a Sofia na escola, fazendo redação e achando que não consegue NUNCA escrever tão bem quanto a mãe.

Brincadeirinha. :) Esse será justamente o maior tesouro que você deixará pra ela: a capacidade de refletir, "de se olhar bem fundo até o dedão do pé" e de expressar isso tão bem em palavras.
Lucimara Souza disse…
Olá,
Conheci o site hj e fiquei muito feliz!
Conforme inicio o meu blog, falando sobre o prazer da escrita, vejo o quanto vc se delicia com as palavras e, unindo-as em belíssimas frases, é capaz de transformá-las em lindas reflexões. Obrigada!

Visite meu blog:
http://textos-e-reflexoes.blogspot.com/
Muito tímido ainda, mas escrever lá me deixa bem... rs
Lucimara, vá em frente mesmo com a timidez. :)
albir disse…
Que beleza de texto, Ana! Não há mesmo nenhuma segurança quando se trata de filhos, ou melhor, quando se trata de viver. Mas essas reflexões aliadas à vontade de acertar te fazem sair na frente. O resto é ter paciência consigo mesma pra poder ficar bem, que seus filhos agradecem. Porque ficar bem também se aprende e se ensina. Abraço
Juliêta Barbosa disse…
Ana,

Outro dia recebi de meu filho, uma homenagem a que dei o nome de "salário moral." Num texto comovente, ele agradecia pelo exemplo de vida que eu havia lhe dado. Por isso, parabenizo-a pela lucidez e pela ternura que sinto, em cada palavra dos seus últimos textos. Educar é um exercício do amor...
Lucimara Souza disse…
Valeu Eduardo!
Abraços literários para vc...
Vc acessou meu blog? Será um prazer receber sua visita.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …