Pular para o conteúdo principal

DESCULPA [Carla Cintia Conteiro]

Como a mãe que espera a chegada do Trem das Onze, não dormi enquanto meu filho não chegou. Mas os horários da juventude de hoje são bem mais tardios e os perigos, se não maiores, mais bem documentados. E olha que eu sabia que ele estava envolto em uma certa bolha de segurança.

Imagino o desespero daquela mãe cujo bebê foi sequestrado logo depois de sua família ter sido despejada numa reintegração de posse em São Paulo. Como dorme uma criatura dessas? Felizmente, a sequestradora foi localizada, o bebê devolvido. A imagem dela e seu companheiro transbordando de amor dentro de um desespero tão grande me remeteu a outro casal, Maria e José. Eles também estavam sem abrigo e também tentavam proteger seu filho de alguém que queria lhes tomar a criança.

O casal bíblico foi visitado pelos três Reis Magos. A dupla da periferia paulista foi procurada pela Maga Patalógica, digo, patológica, alguém que simulou uma gravidez e precisava chegar em casa com um bebê nos braços, nem que fosse às custas da desgraça dos desgraçados. Veio prometendo ajuda e levou o único tesouro que restava aos miseráveis.

Vejam que, entretanto, a maré de infortúnio dos dois jovens pais pode ter sido uma bênção comparada ao destino de seus vizinhos. Mostraram a cara no Jornal Nacional. Não aquela cara de fúria, revolta e dor profunda da hora do despejo e da demolição que mais repele que solidariza a classe média que morre de medo de pobre. O público do noticiário viu como ficam essas pessoas nos dias seguintes, seus dramas cotidianos. Esses trágicos personagens começaram a ganhar donativos, roupinhas, fraldas, brinquedinhos para o bebê. Quiçá consigam um local melhor para morar que o abrigo onde estão malocados. A visibilidade foi, talvez, sua salvação.

E os outros?

E aqueles que podem vir a ser os filhos insurretos da desesperança que oferecerão os perigos que temo enquanto meu filho não chega em casa? Quem há de se preocupar e cuidar deles, se gostamos de fazer de conta que eles não existem, até baterem no vidro dos nossos carros?

Depois que os campos de concentração foram revelados aos cidadãos alemães, no final da Segunda Grande Guerra, eles disseram que não sabiam de nada. Juraram que seu silêncio e imobilidade não era um pacto com o nazismo.

O que nós da classe média responderemos ao futuro?

Qual será sua desculpa?

Comentários

Uau, Carla! Que suavidade e... que pancada! :) Maravilha de texto. Conciso, envolvente, profundo, direto. Uma verdadeira obra-prima.
Juliêta Barbosa disse…
Carla,

O seu brilhante texto lembrou-me:

"O que me preocupa não é nem o grito dos corruptos, dos violentos, dos desonestos, dos sem caráter, dos sem ética... O que me preocupa é o silêncio dos bons."

Martin Luther King
tania meliga disse…
já disse que quando crescer quero ser igual a v c..rs..lindo texto, preciso, conciso e forte....continuo sendo cada dia mais sua fã

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …