Pular para o conteúdo principal

VIAGENS >> Kika Coutinho

Há alguns anos atrás eu trabalhava em uma grande empresa e estava alocada em um projeto global, portanto estava na mesma equipe de pessoas que ficavam do outro lado do mundo e tinha diversas conversas telefônicas com os americanos.

Foi numa tarde normal, em que eu falava com uma gringa, que tive um instante de susto quando ela disse qualquer coisa como:

– Você estará disponível no dia tal a tal para participar de um workshop aqui em Chicago?

– What?! – foi o que eu respondi...

A gringa continuou falando, explicando, e eu achei que meu inglês devia estar mesmo muito ruim, porque tinha entendido que a mulher estava me chamando pra ir pra Chicago, imagine. Pedi pra ela mandar tudo por e-mail alegando que a ligação estava ruim. Acontece que, depois, ela me mandou mesmo tudo por e-mail, e era verdade. Alguém agilizou meu visto, passagens, hotel e etc. Estava mesmo tudo certo, mas eu custava a acreditar.

No dia de embarcar, quando cheguei ao aeroporto, cheguei a sentir-me relutante ao fazer o check-in. Eu estava muito envergonhada porque tinha a nítida sensação de que a mulher do check-in ia me dizer, espantada: “Senhora, de onde você tirou essa idéia de que iria para Chicago? Não tem nenhuma reserva aqui com o seu nome, deve ter sido um engano.”

E eu nem sei que cara ia fazer porque, na verdade, para mim, era óbvio que seria um engano! Quem, no mundo, ia pagar pra eu ir pra Chicago a não ser eu mesma, em 10 vezes? E nada tinha caído no meu cartão.

Muito sem graça e timidamente, fui até o balcão e dei meu passaporte. Decidi não falar nada, qualquer coisa iria me fazer de surda e muda e sumiria dali em dois tempos.

No entanto, para a minha surpresa, tinha mesmo uma reserva, e eu fui para Chicago sem gastar um tostão. Outras viagens se seguiram depois dessa, de forma que nem achei mais tão grande coisa assim.

Mas a história volta à minha cabeça hoje, toda vez que vou ao médico para ver o meu pequeno bebê, porque tenho uma sensação muito parecida com a que tive naquela noite, no aeroporto. Vivo achando que o doutor vai pôr aquele ultrassom na minha barriga, olhar, olhar, olhar e, de repente, vai dizer: “De onde você tirou essa idéia de que está grávida? Não tem bebê nenhum aí!”

E eu, mesmo com todos os papéis e exames, vou ter que ficar calada porque, de certa forma, é óbvio. Onde já se viu carregar um bebê, inteiro, vivo, dentro do bucho? Nas minhas piores cenas, imagino o médico lavando as mãos, se despedindo de mim e dizendo: “Essa barriga aí deve ser de cerveja. Dá uma maneirada, né?” Enquanto isso, eu saio sem graça, sem nem saber que gosto tem um chopp...

Acontece que, como no aeroporto, a realidade é muito melhor do que a minha tola imaginação pode acreditar. O médico sempre mostra o bebê, a mãozinha, o pezinho, tudo se mexendo, o coração batendo alto, enquanto eu fico bem calada, perguntando-me como a vida pode ser tão generosa comigo. É ainda mais inacreditável e muito, muito melhor, do que ir para Chicago...

www.embuchada.blogspot.com
www.docerotina.blogspot.com

Comentários

Cristiane disse…
Ana, daqui a pouco a tua pequena vai estar dando tanta cambalhota dentro de você, que vai se perguntar como ela consegue fazer tanto malabarismo num espaço tão curto. Lembro que minha sobrinha soluçava dentro da barriga estufada da minha irmã!
Acredito que ser mãe é uma viagem muito, mas muito melhor do que ir para Chicago ou para o Tibet. Mas há que se ter fôlego para voar tão algo...
Quanto ternura nas suas palavras!
É, Ana... Meu diagnóstico médico é que a gravidez não afetou em nada a qualidade da sua escrita: mais uma crônica perfeita! :)
C. S. Muhammad disse…
Ai, Ana... você sempre tão fantástica! Realmente parece "Daydream" né? Mas não é... e dá muito bem para entender porque a vida é tão generosa com você. :)
Juliêta Barbosa disse…
Ana,

Mais um belo texto de uma mamãe em estado de graça... bjs

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …