Pular para o conteúdo principal

DESCORTINÁVEL >> Carla Dias >>


Sonhos recorrentes me inquietam...

Ser recorrente me assusta.

Não dizem (digo) que tudo já está na fase do reinventado (invertido)? Toda história já foi contada, e agora o que vale é a lábia, a doçura, o erotismo vestindo o olhar desbotado, inócuo. O dito que é desdito na tentativa de se angariar releituras.

Releituras me intrigam... Que fique claro que releitura não é cópia, mas uma forma diferente de se alcançar o significado (se isso é possível) do que já foi criado. Dizê-lo de forma diferente. Olhá-lo com mais afeto do que o julgamento que acompanha quase todas as observações nossas sobre as crias alheias, principalmente quando desejamos demais sermos os pais delas, não somente seus autores.

É preciso haver humildade para que uma releitura seja gratificante. Para que seus cantos, avessos, assimetrias, fragmentos sejam rearranjados de uma forma muito mais bela, valendo-nos sempre da beleza que transborda das disparidades.

A releitura do vôo rasante me remete aos refúgios emocionais, como este onde me encolho na tentativa de compreender o que se esconde em meu dentro e anda me tirando o sono.

Fustigando-me com sonhos recorrentes, como aquele em que me sento em uma cadeira, no meio do mundo, e as pessoas desaparecem. E eu espero que voltem, sentada, quieta, mãos repousando sobre as pernas, o olhar ressabiado, mas apaixonado pelo adiante. E envelhecendo não somente o corpo, mas também a esperança de viver intensamente até mesmo as banalidades.

Estou como numa canção rearranjada, notas esquálidas sendo aquecidas e abrigadas por fermatas e sua intrínseca sede por.

Não repaginada... Não me atrai essa definição. Não me seduz esse movimento. O que me interessa é a reinvenção das coisas que já foram coisificadas no dicionário da pretensão humana. Aprecio quando seus significados embaçam e embarcam em mais uma sessão de melodramas e tragicomédias, desvendar mistérios e aceitar limites. Nessa pulsação de não saber pra que lado correr eu sei que há vida.

Sabe?

O que conta é com qual roupa o sentimento sai da carcaça, se dança baião, salsa ou se é apenas um balé desengonçado sobre medos e ausências, não importa. Se ao se refestelar na vida a vive, e dói, ama, corrói, beija, abraça, abandona, esbofeteia é que conta.

O que importa é a vida que não seja recorrente, mas que se liberte da repetição ao ser sorvida pelas peculiaridades de cada um.

Apesar de me olharem aqui, sentada na minha cadeira, já cansada da espera, quase caindo no sono, sou das reinvenções e dos regalos. Posso não ter o inglês afiado, o português ser capenga, e ter medo do escuro e de ser vitimada por uma autopiedade desandada, só por ter me cansado de enfrentar as desavenças entre o meu destino e a biografia que construo a partir das minhas escolhas.

A possibilidade me tornar recorrente me deixa agoniada que só...

A certeza de não ser capaz de me tornar recorrente me conforta. Mesmo que tenha de voltar ao ponto de partida mais vezes do que penso possível.

http://www.carladias.com/
http://talhe.blogspot.com/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …