Pular para o conteúdo principal

TEM DIAS >> Eduardo Loureiro Jr.

lucas hoppus - flickr.com
Tem dias que a gente acorda com um engasgo no peito, na garganta, nos olhos. Tem dias que o sonho -- mesmo o quase amargo pesadelo -- parece mais leve que a vida, e os olhos resistem à luz do sol. Tem dias que é melhor deixar fechadas as janelas da alma mesmo com o quarto cheio de muriçocas. Mas até esses dias têm seus compromissos, seus afazeres, suas promessas a serem cumpridas de outros dias mais antigos e felizes.

Tem dias que a gente nem estranha quando liga o rádio do carro e o MPB-4 começa a cantar "tem dias que a gente se sente como quem partiu ou morreu". Tem dias que a gente fala por falar, ouve por ouvir e faz tudo no piloto automático. Nesses dias, até a esperança desespera, os milagres parecem miragem e a crônica crônica não se permite ser escrita.

Vó Izolda e netosTem dias que a gente quer o escuro do quarto, o horizontal da cama, o silêncio da desconversa, mas se vê numa festa de família, na casa da amada tia, entre a avó de 87 anos e as grávidas barrigas da irmã e das primas. Tem dias que a gente tem que jogar crokinole com a sobrinha-filha, fazer gracinhas para o encantador filho da filha da prima, conversar sobre literatura com o primo querido, ver o vídeo emocionante da festa de 70 anos da mais velha tia, esperar a mãe e a irmã conferirem o enxoval do aguardado sobrinho, assistir à final da Liga Mundial de Vôlei com um bando animado de tios, primos e agregados...

Tem dias que a gente tem que deitar pra dormir com a namorada e percebe que ela foi uma boa companheira, que nos deu o merecido descanso, que esteve lá -- presença suave -- feito quem senta à beira de um poço seco e, ao invés de ficar batendo com o balde no fundo, se distrai com o céu, à moda de rezar pra chover.

Tem dias que têm noites em que a gente adormece agradecido pelo rádio, pela música, pela nossa gente, pela parentada toda. Tem dias que têm noites em que a gente sonha escrever, no dia seguinte, uma crônica pós-datada sobre um domingo que poderia ter sido o fundo do fundo do fundo, mas que foi a raiz da raiz da raiz, sugando o precioso alimento no escondido da terra.

Comentários

Debora Bottcher disse…
É, Eduardo... Tem dias que são assim mesmo - e vc definiu de um jeito que todo mundo sente, entende e vive vez ou outra...
Mas ainda bem que novos dias amanhecem, não? Com outra roupagem, outro brilho, novo sol...
Beijo enorme e boa semana.
Tia Monca disse…
Junoca,
Que o precioso alimento, sugado da terra, sustente você até o próximo "almoço de domingo".
Gostei do dia, da namorada companheira, da crônica e da pizza do dia seguinte :o)
Desejo cada dia melhor que o anterior.
Bj,
Tia Monca
Kika disse…
Que bonito Eduardo.
Você descreveu um dia que todo mundo tem, mas a gente nunca consegue descrever. Adorei esse texto!
beijos
Ana
Juliêta Barbosa disse…
Eduardo,

Que a sua solidão criativa seja sempre reflexo do encontro com as suas raízes. Nós, os seus leitores, só temos a ganhar...
Tem dias que não parecem domingo, porque não encontramos sua crônica aqui...Que bom que o dia seguinte nos traz boas notícias.
Gente, nesse retorno de viagem, com várias pendências para atender, permitam-me uma resposta coletiva: saber que vocês estão lendo me dá força pra escrever mesmo quando, raramente, escrever não é fácil. Grato pelo carinho de ler e de comentar. Beijos,
Carla Dias disse…
Tem dias em que a gente espera menos e ganha mais... mais do que o suficiente para encarar com graça aqueles dias que às vezes são noites. Como hoje... Tem esse dia em que ler suas palavras elevou minha alma e aqueceu minha humanidade. Obrigada por isso.
monica disse…
Tem dias em que manhã ensolarada nos parece céu cinzento. Tem dias em que minutos de tristeza teimam em parecer eternos. Tem dias em que palavras expressas em textos revelam-se: esperança!
Salve a esperança, monica! :)

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …