Pular para o conteúdo principal

SOMOS >> Carla Dias >>

Eu sou assim, desse jeito desdito, desengonçado, tenho meus momentos de presteza e desenvoltura, e em outros me sinto estacada no chão. Às vezes grito, mas com a mesma intensidade, eu me calo. Se me viro do avesso, nem pense que é por causa do conforto que não tem braços longos o suficiente para evitar a dolência provocada pela queda.

É que gosto mesmo de ver a mim de dentro pra fora.

Tem dias que não gosto de absolutamente nada que me dão para comer, nem mesmo do que escolho no menu do restaurante, assim como saborear aquela bolacha água e sal, na hora da fome louca que só, continua uma delícia, mesmo que tenha de dividi-la com quem está ao lado.

Dividir em momentos como este é desafiar o egoísmo que impregna o ser humano, que é eloquente. O egoísmo tem um quê de sabedoria soberba.

Para odiar é preciso técnicas revolucionárias, como aquela que nos ajuda a não nos importar com o outro. Mas não adianta querer transformar amor em ódio, depois que o amor morou tanto tempo na alma da gente que pode se transformar em ressentimento, mágoa, mas não em ódio. Para isso acontecer, efetivamente, o um teria de matar o afeto do outro de um jeito tão tirano que significaria que sua própria alma foi esvaziada de vez.

A indiferença é um bicho maluco. Ser indiferente é não se importar de um jeito enorme. Para se conquistar a indiferença é preciso alcançar essa enormidade toda. Parece fácil, mas não... Até para freqüentar o pólo negativo de si mesmo é preciso um refinado talento.

Às vezes, estamos todos assistindo ao mesmo filme, mas na hora de contar a história para aqueles que não foram ao cinema, bom, cada um tem uma versão, o que é realmente inspirador, contanto que deságue na mesma trama, que ela não se perca em abismos imaginários.

Acontece de uma pessoa estar sentada na primeira fila do teatro e a outra na última, em certos momentos de suas vidas, ainda que já tivessem dividido o mesmo lugar milhares de vezes, e até as mesmas angústias, a mesma vida, cada uma na sua, mas sintonizadas pela amizade que cultivaram. Pode acontecer de, neste espaço que as separa, estarem sentadas centenas de mal-entendidos, de mágoas, de pseudo-indiferenças, porque a indiferença crua – reacendendo a chama do assunto - é para os que jamais experimentaram o gostar, o se preocupar, o se aninhar no universo do outro até que o medo de viver passe.

E ele passa, ainda que por um tempo. E este intervalo provido de amansamento é necessário para alimentarmos as emoções capazes de desabonarem a força dos maus agouros.


http://www.carladias.com/
http://talhe.blogspot.com/

Comentários

albir disse…
É, Carla. Seria impossível viver sem esses intervalos no medo.
É bom quando você fala de você porque acabamos lendo sobre nós.
Carla, esse seu texto tem o sabor de suas crônicas antigas e seu fuxo labiríntico de pensamento reflexivo. Ler foi como matar saudades.
Carla Dias disse…
Albir... Fico contente pelo seu comentário. É sempre bom saber que quem somos vale um passeio sobre quem são aqueles que nos lê.

Eduardo... Confesso que o labiríntico me agrada. Querendo ou não, ele sempre volta e me pega pela mão. Saímos para passear e depois eu volto repleta de reflexões prontas para ganharem um texto.
C. S. Muhammad disse…
Adorei o texto e concordo com o Albir, pois foi como descobrir algo novo em outrem ao me olhar no espelho.:)
Debora Bottcher disse…
Carla, querida, Seus textos sempre me deixam sem palavras, profundamente silenciosa. Assim, normalmente, não posso comentar. Mas acho por bem, afinal, que vc saiba que sempre te leio.
Beijo enorme.
Carla Dias disse…
C. S. Muhammad... Adorei sua definição, a forma como enxergou o texto. Obrigada por abrigá-lo em sua alma.

Débora... Só posso dizer que me sinto honrada quando você visita minhas palavras. Nem sempre pelas palavras, quase sempre pela visita em si. Beijo enorme pra você também.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …