Pular para o conteúdo principal

REPOUSO >> Kika Coutinho

O médico me mandou ficar quatro dias em repouso. Quatro dias em casa.

Quando ele disse isso, excluindo-se as preocupações com o bebê e tal, a primeira coisa que me veio à cabeça foi: “Uau! Que delícia, quatro dias inteirinhos só pra mim!" Imediatamente fiz uma lista de todos os livros que iria ler, dos filmes que iria ver, das receitas que poderia pegar na Ana Maria Braga, dos filmes da sessão da tarde, uma vida novela, enfim.

O médico disse, ainda, que não precisava ficar deitada o dia todo, mas para evitar ficar andando muito. Tudo bem, posso me locomover dentro da minha casa que é meu reino absoluto. Não havia mundo melhor.

Preparei uma espécie de QG na minha cama. É QG que se chamam esses escritórios policiais? Ali deixei uma pilha de livros, algumas revistas, meus óculos, os telefones, os controles remotos, um rolo de papel higiênico caso espirrasse e, claro, o computador.

O primeiro dia foi ótimo. Mandei alguns e-mails, assisti ao “Hoje em dia” e li um pedaço de um livro para grávidas. À noite, confesso, estava um pouco entediada. Mas sentia-me descansada e revigorada. É por isso que as madames das novelas são tão bonitas, claro. Vivem repousando, como uma garça...

Segundo dia, acordei cedo porque deve haver um espírito ignorante dentro de mim. Eram 8h da manhã e eu assistia à Ana Maria Braga. Ela iria ensinar a fazer cural de milho. Humm. Estava um pouco monótono, liguei o computador. Havia lido todos os blogs, visto meus emails, fuçado no orkut de gente que eu nem lembrava mais, e ainda eram 11 horas da manhã. No “Hoje em dia”, assisti ao concurso de beleza, aprendi como guardar as roupas nos armários, como fazer um escondidinho de carne seca, e ainda ouvi muitas, muitas vezes sobre a promoção da Maggi que vai levar o Edu Guedes pra cozinhar na sua casa. Cheguei mesmo a ir até a cozinha ver se eu tinha produtos Maggi pra participar. Posso ficar de repouso enquanto o Edu Guedes cozinha para mim, né? Não tinha os produtos, mas fuçar na despensa atrás deles foi a minha grande aventura do dia. Voltei para a cama, quase ofegante. Nossa, que stress que é ir até a cozinha!

No final do dia, já tinha lido até o pós-parto desse livro que acompanha a gravidez mês a mês. Já liguei para todas as minhas amigas, já fiz xixi 254 vezes (porque é uma movimentação ir ao banheiro), já tinha perdido os óculos no edredom 5 vezes, já tinha visto a entrevista do padre Fábio de Melo na Marília Gabriela, a do Obama, que está no Chile, na GloboNews, além de muitas reportagens sobre a gripe H1N1. Dúvidas sobre como se prevenir da gripe? Me procure.

Quando meu marido ligou, perguntando as novidades, informei a ele que os pombos têm uma bússola dentro deles e são capazes de achar o caminho de volta mesmo tendo se distanciado mais de 200 km. Pena que eles são umas pragas. Vocês sabiam? Eles são ratos de asas! Meu marido não estava interessado. Mas eu também já tinha aprendido a fazer pilates com a Luiza Brunet, já percebi que o homem da pamonha também passa por aqui, bem como o sorveteiro, e notei que uma obra na rua aqui da frente é interrompida de hora em hora, exatamente. Quase desci pra perguntar por que eles cavam tanto.

Já arrumei toda a agenda do meu celular, organizei os textos antigos, e até torci para alguém me passar um trote que seja, pra passar um pouco mais o tempo. Ainda são 6 da tarde, e faltam 2 dias – séculos – de repouso.

www.embuchada.blogspot.com
www.docerotina.blogspot.com

Comentários

Ana, a literatura agradece ao seu médico por esses quatro dias de repouso. :) Mais uma bela crônica sobre o cotidiano.
Rayanne disse…
Poxa, ainda sim consegue fazer muitas coisas mesmo de repouso. Inclusive uma crônicas fantásticas justamente pela simplicidade. Confesso que se agm me desse dias de repouso era isso que eu iria fazer: repousar! Ando com um sono sem explicação, mas confesso que é uma tentação procurar uns produtos na cozinha pra ter o Edu em casa. Aiai...
Carla Dias disse…
Me deu até vontade de visitar a rotina dos programas matinais, das revistas semanais, dos telejornais na hora do almoço... Adorei a crônica!
albir disse…
Aproveite para escrever crônicas. Isso vai fazer muito bem para o seu bebê e para os seus leitores.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …