Pular para o conteúdo principal

MENINOS DO BATUKA! >> Carla Dias >>

Estamos aqui, na correria para a realização da 11ª edição do Batuka! Brasil International Drum Fest, um festival de música voltado à bateria e à percussão, idealizado pela baterista Vera Figueiredo, com quem trabalho há quase dezesseis anos.

Dos quase dezesseis anos, dez deles eu trabalhei na produção do festival que, desde sua primeira edição, em 1996, serve como ponto de encontro para instrumentistas e público em geral vindos de vários estados brasileiros. Essa colcha de retalhos cultural vem nos servindo de ferramenta para defender o que mais nos interessa nesse projeto: criar espaço para instrumentistas e sua diversidade cultural, promover o intercâmbio entre músicos brasileiros e estrangeiros e, principalmente, divulgar a nossa cultura. Foi dessa forma que o Batuka! Brasil entrou para a lista mundial dos mais importantes festivais do gênero.

O Batuka! Brasil recebe artistas brasileiros e estrangeiros para apresentação de performances, workshops, palestras e shows. Além dessa programação, também há o Concurso Nacional de Bateristas, vertente do projeto responsável por revelar talentos espalhados por esse Brasil.

O Concurso Nacional de Bateristas é uma caixinha de surpresas. Desde a primeira edição do festival, foram premiados 22 bateristas, de regiões e idades diversas. Para comemorar a volta do Batuka! Brasil - a última edição foi apresentada em 2005 -, resolvemos traçar o perfil desses meninos que não são jogadores de futebol, mas fazem gols fantásticos quando se trata de tocar bateria.

Hoje mesmo eu coloquei no ar o perfil dos bateristas no site oficial do Batuka! Brasil. De certa forma, nunca nos distanciamos dessas pessoas, porque suas conquistas também foram celebradas por nós, que realmente acreditamos no talento de cada um deles. Porém, ao ler suas biografias para incluir no site, e acompanhar mais de perto a trajetória deles, percebi que mais do que imaginávamos, a passagem dessas pessoas pelo Batuka! Brasil foi uma inspiração também para eles, já que a dedicação e determinação desses meninos nos inspiraram a realizar dez edições de festival, apesar de toda dificuldade de se realizar projetos como este sem um patrocínio.

É muito gratificante quando percebemos que partilhar do sonho de alguém pode tocar a vida de tantos. Eu partilhei do sonho da Vera e passei a considerá-lo meu também, desde o primeiro momento, e cá estamos: 11ª edição do Batuka! Brasil International Drum Fest.

Bem sei que grandes descobertas foram feitas a partir dos sonhos de seus descobridores, mas é diferente quando se está intimamente envolvido nesse processo. Ao criar este espaço virtual para os 22 meninos do Batuka! Brasil, eu me aproximei ainda mais da realidade deles, e me surpreendi com a jornada que traçaram para si mesmos, desde o dia em que os conheci, nos bastidores do festival.

Aliás, os bastidores do Batuka! Brasil dariam um livro. As pessoas que já passaram por ele, dos artistas ao público, muitos merecem um registro. Certamente, no nosso coração estão registradas histórias engraçadas e emocionantes, como quando ligaram dos Estados Unidos para um baterista que tocaria no festival para avisá-lo que seu pai estava doente. Corremos para remarcar a passagem de volta dele para a mesma noite, mas ele fez questão de se apresentar. E antes de tocar lindamente, como sempre, tocou tambores com o som do coração de seu pai. Aquela pulsação, para quem sabia da história, que ele contou ao público depois, levou muitos de nós a cair no choro. E passagens como esta é que definem o espírito desse cenário criado pelo Batuka! Brasil.

Muito além da produção de um evento, da necessidade de divulgação, de se vender ingressos, de se captar recursos para bancar despesas, detalhes necessários, obviamente, o Batuka! Brasil é um sonho no qual embarquei e que, a cada edição, colabora para que os sonhos de outros se realizem. Seja conhecendo seus ídolos, como tive o prazer de conhecer muitos dos meus, ou tendo um espaço para mostrar sua música, participando do concurso, ou como uma das pessoas da platéia, da equipe.

Sugiro que vocês conheçam esses meninos mais de perto, saibam sobre a história deles. Independente da área, muito do que eles têm a dizer, tenho certeza, cabe direitinho no sonho de muitos de vocês.

Rafael Barata, Guilheme Santana, Fred Valle, Cristiano Forte, Flavio Teixeira, Alex Buck, Márcio Corrêa, Luke Faro, Marius Rodrigues, Marquinhos Fê, Igor Willcox, Turquinho Filho, Valmir Bessa, Ebel Perrelli, Márcio Pereira, Gledson Meira, Sandro Moreno, Cláudio Félix, Paganini, Gabriel Martins, Elóy Casagrande e Vaney Bertotto... Os meninos do Batuka! Brasil.

Batuka! Brasil International Drum Fest
www.batukabrasil.com
Para conferir o perfil dos vencedores do Concurso Nacional de Bateristas, clique na seção BATUKA! BEAT.

Edição 2009
Dias 18 e 19 de julho no Auditório Ibirapuera - SP
Clique AQUI e confira o flyer.

http://www.carladias.com/
http://talhe.blogspot.com/

Comentários

Carla, muito legal o texto. Um belo reconhecimento a todos os envolvidos. Mas eu não vou nem mentir que do que eu gostei mesmo foi das tirinhas de fotos nas laterais. :)
Carla, ótimo texto! Parabéns por ser semprre essa divulgadora de cultura.
Carla Dias disse…
Eduardo... Obrigada pela leitura e pode apostar que adorei incluir as tirinhas de fotos deles nas margens da crônica : )

Marisa... Obrigada por me dar ouvidos.. Melhor, emprestar seu olhar aos meus feitos no Crônica.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …