Pular para o conteúdo principal

A VÍTIMA É O CULPADO >> Eduardo Loureiro Jr.

Alberto Ruggieri - corbis.comE eu que pensava que era o mordomo. Nossa cultura falante e extrovertida sempre desconfia dos calados e misteriosos. Mas o culpado, vejam só, era a própria vítima. Por trás daquela carinha triste -- de dar dó -- estavam as mais perversas intenções, desconhecidas até dela própria.

Hoje as vítimas não me dão mais pena, mas me fazem achar graça. E quando a vítima não é sonsa -- e nem lhe passa pela cabeça que ela é que é a culpada -- aí rio a valer. É como uma daquelas comédias antigas em que o palhaço flerta inconsciente e desajeitado com o perigo.

Quando alguém faz carinha de pobre coitado, eu já começo a armar meu sorriso. Quebrou o pé porque pisou num buraco? Perdeu o emprego numa demissão coletiva? Foi largada pelo marido ingrato? Tá com vontade de processar a prefeitura, pedir indenização, exigir pensão? Chega, gente. Eu não posso rir demais senão me dói a barriga.

Parei de assistir aos telejornais porque prefiro outro tipo de comédia -- mais positiva. E, mesmo rindo, a exposição constante injeta na gente o gérmen da vitimização. Quem é que consegue assistir ao noticiário todo dia e não se sentir vítima da crise mundial, das falcatruas, das politicagens, da bandidagem, do imposto de renda, das catástrofes?

Vítimas coisa nenhuma! Culpados! Se está incomodando, dói justamente onde a culpa é nossa. E vai continuar doendo enquanto não largarmos a culpa e assumirmos a responsabilidade.

Não aguento mais ver alguém bancando a vítima, reclamando da mulher, do vizinho, do chefe, da prefeita, dos congressistas, do presidente, da vida, do destino... e de Deus, então? Como reclamam de Deus! É um tal de "ai, meu Deus" pra cá, "meu Deus, o que foi que eu fiz pra merecer isso?" pracolá... Vão tomar conta da própria vida, meu povo. Eu não caio nesse chorinho besta de vocês, não.

Caiu, levanta. Perdeu, recupera. Errou, conserta. Morreu, reencarna ou ressuscita. E vamos deixar o mordomo trabalhar em paz.

Comentários

Uia, Eduardo! Deu até meda de você aqui...:)Adorei! Deixa o mordomo viver!! E, usando a desculpa do frio curitibano, vou proteger as orelhas, caso algo me caiba no texto e minha autocrítica não tenha me deixado perceber.:)
Marisa, numa semana eu lhe assusto, na outra lhe dou medo?! Mas este cronista está lhe tratando muito mal. :)
C. S. Muhammad disse…
Xiii... esta carapuça me serviu direitinho. "Chorinho besta" é minha especialidade. :)
Carla Dias disse…
Acho que todo mundo tem seu dia de barriga doendo de tanto rir das vítimas que se fazem de vítimas e da culpa que nem sempre é do mordomo. E é algo que merece atenção, pois qualquer um de nós pode se transformar numa vítima, assim, num estalo.
Vou refletir agora e me recompor... Acabei de dizer "ai, meu Deus!"
Bjs!
Letti disse…
Adorei. O conteúdo e a forma. Tenho uma implicância quase declarada com quem está sempre reclamando ou culpando outros pelas suas escolhas. Culpados, com certeza.
Um beijo inocente pra você, rs
Eduardo, prefiro meus medos do que certos sustos...Portanto não assuste mais o povo aqui do Crônica, viu? :)
cArLa, parabéns por receber a carapuça com bom humor. :)

Carla, sabe que também fiz um pouco de vítima ao escrever a crônica? Afinal, o que é ela senão uma reclamação sobre as vítimas? Banquei a vítima das vítimas. :)

Parece que nem tão inocente assim, Claudia... Tô te achando parecida comigo: vítima das vítimas. :)

Ok, medo sem sustos para você, Marisa. :)
Ana disse…
...pois não é que vemos no Outro justamente o nosso reflexo?
Será que a impaciência com os lamentadores de plantão não vem precisamente daquele sentimento de auto-piedade que nos proibimos?
Lamentam-se todos, alguns mais, mas o que fazer com a dor da perda, com a frustração, com a injustiça(levante a mão quem se conforma com o 'merecimento'), com um amor perdido ou não correspondido?
Somos humanos, e lamentar-se - só um pouquinho, com o amigo certo - talvez ajude a sarar... lamber as feridas, colocar um band-aid... não seja tão duro, caro Eduardo. Fiquemos no meio-termo, aceitemos também nossa vulnerável humanidade...

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …