Pular para o conteúdo principal

INQUIETAÇÕES [Sandra Paes]

Me pego tamborilando os dedos sem melodia ou ritmo. Não há um pensamento sequer que justifique essa arritmia. Não, não procuro uma música pra justificar o tamborilar. Tem gente que rói as unhas, olhares fixos na batida de falta diante do gol, à espera de uma vitória para seu time de futebol. Nem isso... Não me treinei pra ser torcedora, daquele tipo que anda pra lá e pra cá, fala alto com o locutor ao longe e diz palavrões para o técnico que do lado de fora também anda pra lá pra cá - e berra: “Seu ****!”

Também não é esse o contexto. A televisão pode estar ligada com qualquer um falando sobre o tema de sempre: tragédias, queda da bolsa, queda do dólar, justificativas diversas pra abandono, fome, perda total de casas, não importa se por devastação de águas, bombardeios, tornados ou outros desastres provocados pela briga incessante entre os países. Também não é isso...

Descubro que há uma água que corre desmedidamente no banheiro, vinda de algum lugar. De novo? Deixaram a descarga vazando e nem tiumps? Sim, parece que é. E lá vou eu de novo ligar pra portaria e pedir providências pra evitar o desperdício. E, de novo, a mesma coisa, a desinformação do porteiro sobre o assunto e a atitude de sempre: nenhuma! Vai ficar pro dia seguinte.

E de repente: eureka! É isso.

Estou inquieta porque não suporto mais esperar para soluções no dia seguinte. Não sei que pressa é essa. Mas conviver com o arrastar do jogo democrático, a manipulação financeira por todos os lados, os abusos de tempo, a ignorância crassa dos atendentes por telefone e essa coisa que não anda porque as pessoas estão fisgadas por um sistema deliquente, me deixa inquieta.

Não assisto aos shows sobre “respostas certas” a serem dadas pra perguntas idiotas valendo alguns cifrões, mas, de novo, o mesmo jogo da provocação e da espera.

Foi assim com as paqueras, com os flertes de outros tempos, com o resultado de exames, da prova escrita nos concursos diversos pra bolsa de estudos em alguma instituição, sem falar nas filas de espera para pagar contas, mostrar que se é capaz de estar em dia com os credores, mesmo diante de greves bancárias intermináveis e toda essa especulação ridícula em torno de o que fazer quando não há onde pagar o que se deve.

E lá se foram anos e anos de espera pra isso e etc., pra nada. No final das contas, é sempre a mesma coisa: como manter os idiotas andando em círculo pra justificar a existência e se divertir no intervalo com qualquer bobagem.

Sim, a inquietude cresce e vai se transformando em ira ao me perceber como um ratinho em laboratório de pesquisas correndo numa rodilha pra mostrar pro observador o que fazer com meu comportamento condicionado. E eu ainda penso. Ainda cogito que tudo isso é loucura controlada mesmo, vejo toda a arapuca e vem outra angústia. A de não saber como sair dessa roda tosca, porque de vida nada tem, é apenas o prorrogar da neurose humana em nome do progresso e do avanço tecnológico e da distribuição de renda.

Aahhhrrrggg! Que fartão!

Não dá mais pra ver todos os carros engarrafados, os malucos de carteirinha se comportando direitinho pra não perder pontos e ter o direito de ficar transitando duas horas a mais por dia só pra ir pro emprego e ainda dar graças a “Deus” por ter onde se engarrafar. Afinal, vai ter dindim pra entrar na fila e pagar contas e dizer a si mesmo que a vida vai bem. Vai dar até pra tomar uns chopps com os amigos e ainda ver o time e torcer e ficar inquieto de novo - mas dessa vez por uma boa causa. Afinal, o time pode entrar pra final do campeonato.

E daí?

Há quantos anos os ratinhos motorizados vivem na mesma rodinha pra depois se aposentarem e viajarem pela televisão, visitando todas as paisagens que mostram nos diversos programas bem editados sobre os lugares mais fascinantes do planeta?


É tudo a mesma coisa: cria-se a inquietação e procura-se mantê-la em alto nível de disposição porque, afinal, se não houver inquietudes, como manobrar as esperanças e os discursos de melhora de vida?

Mas que vida? Esse programa ridículo de brincar de casinha, brincar de proprietário e pagar uma baba pelos títulos e rótulos que dizem que o carro é seu, a mulher é sua, o homem é seu, o apartamento é quase seu, e a vaga na garagem talvez possa ser sua.

Arghhh! Amanhã sai o resultado da biópsia e com ela a sentença de vida limitada, ainda um pouco mais. E tem gente que ainda acha que a vida é uma maravilha!

E como diria meu poeta português:- “Me sinto presa num manicômio sem estar num manicômio.” E esse estar entre, esse quase que não se esvai...

Comentários

É, Sandra...O "ser nosso", o culto do "ter" é algo muito, muito relativo...Mas esse manicômio sempre tem uma janela que, muitas vezes, só os "loucos" enxergam flores através dela...
Simone disse…
É Sandra, pois eu me sinto no próprio manicômio faz tempo, nesse laboratório chamado de vida. Enfim...
Bjs minha querida. Simone

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …