Pular para o conteúdo principal

ORAÇÃO DO ANJO >> Carla Dias >>

Quando ouvi essa canção pela primeira vez, identifiquei-me com a letra logo de cara. Depois ela sumiu de mim, mas voltou e há dias reverbera no meu dentro, como se houvesse alguém cantando na sala de estar da minha alma, fazendo ecoar as minhas próprias buscas e fantasias. Embaçando o olhar acabrunhado de quem quer comer na mão das descobertas, mas se mantém inerte.

Não permita, Deus, que eu morra/sem ter visto a terra toda/Sem tocar tudo que existe /Não permita, Deus, que eu morra triste

A terra toda tem sido as notícias que chegam por e-mail, pela televisão, pelo jornal, pelo telefone, pela boca da vizinha fofoqueira. As conversas com as tias, irmãs, com mãe e amigas, durante um café, uma coca-cola, um bom vinho ou uma caipirinha de saquê com maracujá, durante a secura, a aridez da ausência de nem sei o que pode ser.

“Dai-me a graça/de viajar de graça/por essa esfera afora/de virar uma linda senhora /Uma linda lenda”

Conheço lindas senhoras... Algumas delas sorriem com o olhar, silentes, como se guardassem os segredos das gerações que antecedem a sua. Outras são alegóricas, com suas roupas coloridas e suas gargalhadas escandalosas. E há aquelas que aprumam a confiança dos que as cercam, cerzindo roupas, enquanto emendam a confiança num futuro menos complacente com a indiferença que traveste de desimportante aquilo que é fundamental.

“Tecer cada fio da renda/Contar cada cacho/de cabelo de anjo/Transformá-lo num bonito arranjo/da mais bela canção/Tecer cada cacho/de cabelo de anjo/Transformá-lo num bonito arranjo/da mais bela canção"

É recorrente o questionamento que faço sobre as coisas que crio. Qual a importância de um poema, enquanto tantos perdem suas vidas em tragédias? E de que vale a música se verdades são caladas em pró de interesses particulares?

Às vezes, chego mesmo a achar que o que faço não tem importância alguma, que se trata somente de uma forma de passar pela vida, como quando lemos uma revista no consultório, enquanto esperamos ser atendidos. Mas então eu me deparo com o que desperta em mim um poema do Vinícius ou do Quintana, uma canção do Chico Buarque, os tambores da Índia, do Brasil, as rimas, as prosas, as imagens, as cenas, as guitarras, as cítaras, os violões, as vozes em conjunto, sons habitando um espaço que, logo adiante, chamaremos de canção.

Coisas que me despertam para o mundo que temo perder sem ter ganhado. Cair no mundo requer a habilidade de não se arrepender por partir, tampouco por ter de voltar.

“Não permita, Deus, que eu me vá/sem sorver esse guaraná /sem espalhar meu fogo brando/e acalmar a brasa do mundo”

O mundo eu às vezes interpreto como aquele lugar de lonjura imensurável, mas que podemos alcançar pulando a cerca que dá no jardim vizinho. Sempre tão longe, quase sempre tão perto, ele deseja nossos pés caminhando na sua tez. Nós desejamos seu horizonte, sua imensidão, seu cenário de diferenças que podem nos levar a tantas conciliações interiores.

Outras vezes, confesso, ele cabe inteirinho na visão daquele que caminha adiante, a vida estampada nas buscas, completamente distraído de mim, mas detentor de todo afeto que posso sentir. E nesse mundo florescem fascínios, mesmo diante da aridez.

“E aquecer mais uma vez/o coração do universo/nas contas do meu terço /nas cordas do meu violão”

O coração do universo bate apressado. Meu coração em suas mãos.


Oração do Anjo por Ceumar, de Ceumar e Mathilda Kóvak.

www.carladias.com
http://talhe.blogspot.com


Comentários

Letti disse…
Não conhecia a música, linda letra.

Ah, eu entendo tanto isso:

"Coisas que me despertam para o mundo que temo perder sem ter ganhado. Cair no mundo requer a habilidade de não se arrepender por partir, tampouco por ter de voltar."

Mas mesmo sentindo que sei do que você fala, jamais conseguiria expressar desse jeito tão encantado.
beijo grande, Carla.
Carla, isso que você faz é um ensaio de paraíso. É o que a gente vai fazer o tempo todo quando tiver passado o tempo de haver gente com fome.

Não sei quem está mais bem acompanhada nesse dia crônico, se você ou se a Ceumar. Coisas lindas as que vocês fazem. :)
Juliêta Barbosa disse…
Carla,

Esse foi um dos mais belos textos já produzidos aqui. Uma constelação de estrelas para você.
Carla Dias disse…
Letti, minha cara Claudia... Sou suspeita pra falar dessa música. Aliás, há músicas tão importantes para mim e que asseguram a minha identidade emocional.
Obrigada por me ler e pela gentileza das suas palavras.

Eduardo... ‘ensaio de paraíso’ me soou tão bem... E de bondade tamanha : )
Obrigada por se aventurar nos meus escritos de coração aberto.

Juliêta... Uma constelação de estrelas pra NÓS... Para nos dependurarmos pra ver a vida espreguiçar.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …