Pular para o conteúdo principal

ONDE ESTÁ A NOTA, VERDI? [Ana Gonzalez]

As ondas do rádio começam a falhar. Na sintonia do meu som, entra uma melodia estranha fora do esperado. Diminuo a velocidade do carro, dou um giro no dial. Um pastor fala a fiéis e tenta salvar-lhes a alma. Não seria má idéia salvar também minha alma dos pecados do mundo. Porém, não agora. Chegou a hora do CD.

Meu carro roda pela estrada quase vazia. A paisagem continua verde, ampla, embora o céu nublado me negue a luz do sol e o azul do infinito. Qual CD escolher dos que separei? Nesse tipo de escolha é preciso atentar para um desejo determinado. Não é qualquer tipo de música que servirá. Quero algo que combine com o momento. Uma ópera de Verdi poderá compor um acorde sonante. Suas notas irão fazer agora a sonoplastia da viagem.

Chegam as personagens com suas roupas de século dezenove, coloridas. Arma-se o cenário de pesadas cortinas, praças, salões. Tudo é chamado como companhia, no que tinha sido até agora a natureza em sua imensa e bela solidão. Violeta, Alfredo e seu sonho de amor. Cenas, variações, a complexidade da vida, os paradoxos nos relacionamentos. Óperas carregam o poder imenso de trazer o mundo da experiência. Uma quantidade enorme de informação. A alegria e a química amorosa, as intrigas, o sofrimento e a esperança. Parte da grandeza e da tragédia humanas.

Essa ópera me encanta especialmente. Embora conhecida, a melodia não cansa. Melodia eterna. Vácuo no infinito. Buraco branco.

O trecho da abertura inicia lentíssimo e cresce, ma non troppo. Me impacta de novo como se fosse a primeira vez. Será que eu esqueci que era assim? Tão delicado. Relembrar como se fosse a primeira vez.

E aquela nota que falta? Em conversa com um amigo que sabe música, conversamos certa vez sobre isso. Observação que me persegue. Perguntei-lhe se havia percebido o detalhe de uma específica seqüência melódica, logo no início da abertura. No que seria a introdução. Você sabe de alguma informação a esse respeito? Será engano meu? Falta de informação técnica? Nada disso. Ele também não sabe e, talvez, nem tivesse percebido.

A seqüência de notas segue num crescendo e uma última nota, que fecharia um conjunto naturalmente organizado dentro de uma série normal, é eliminada. Aquela nota que encerra a série foi cortada. Não, não prejudica a melodia que segue e chega à seqüência seguinte, num alçar de vôo, perfeita, magistral.

Onde está a nota oculta naquele compasso? Brincadeira do compositor com a música, com os tempos do compasso. Impossível saber o que teria passado na cabeça do compositor. Não terá sido esquecimento, com certeza. Falta um sol, um mi – ou um dó? Impossível agüentar. Fica a sensação da falta e a corrida desesperada ao que vem depois. O alívio curador seguindo o que é quase um desespero no ar.

Talvez tenha sido esta a estratégia criativa do compositor. Criar o salto, o preenchimento da imaginação. E eu, no diálogo com a falta, paralisada naquele som ausente. Onde? Traço de genialidade a mexer com o ouvinte. Com a minha fragilidade. Fico na beira do despenhadeiro.

Ponho o trecho a tocar novamente. A garganta quer gritar a nota intencionalmente excluída da linha melódica onde ela deveria estar. O descanso na série seguinte não me apazigua a alma. Intervalo absurdo. E a delicadeza da ária continua.

Na memória, permanece a falta. No meu monólogo, sobra a presença do músico. Sonoplastia largamente compensatória da ausência do sol e do azul. Reticências e suspensão de ritmo. Onde está a nota, Verdi?

Imagem: 'Retrato de Verdi'

Comentários

Debora Bottcher disse…
Que texto delicado e leve... Deu uma calma, uma curiosa paz imaginar a música, os cenários, a viagem... Ficou o 'perfume das notas' por aqui...
Super beijo.
Maldade, Ana! Queria nos deixar também em suspensão, é? :) Enfim, qual é o nome da ópera?
Anônimo disse…
Pelos céus!!!! rsrsrs... esqueci o nome da peça! É La Traviata.
Imperdível.

Obrigada pelos comentários, Débora e Eduardo.
Nada como uma motivação de leitores.
Escrever é bom, mas melhor ainda é ser lida. BJs
Ana Gon
Juliêta Barbosa disse…
Ana,

Texto lindo, delicado, suave... E bem escrito! Excelente!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …