Pular para o conteúdo principal

COSTURANDO O TEMPO >> Cristiana Moura


 O que é isso? — Apontei para o papel.

—Lalanja.

— E isso?

—Azul.

— Combina, né?

— Olia, vovó, que bonito lalanja e azul!

Miguel Caetano não desenha formas ou linhas. Desenha cores. Lembrei-me da obra de Hélio Oiticica que nos convida a adentrar as cores, vive-las, sê-las. Fiquei com a sensação de que Miguel, naquele momento, habitava as cores e vice-versa. Num sorriso destes de avó que se encanta senti-me dançando e vivendo os Parangolés de Hélio. Penso mesmo que se por obra de Deus ou do destino, nascêssemos adultos, não haveria arte.

Na brincadeira leve entre azul e laranja a intenção da avó de começar a ensinar-lhe sobre cores complementares. Sim, é cedo. Mas como saber? Gabriel, seu pai, disse em tom de prazer, memória e ironia alinhavados por um único fio:

— Começou o condicionamento das complementares!

Lembrei-me de uma passagem de nossos diálogos em sua infância. Gabriel tinha 10 anos. Havia de decidir entre ter aulas de flauta, canto coral ou teatro. Sem titubear sugeri a de teatro. O que poderia ser melhor para uma criança tão tímida? Sim, pensamento linear, concordo. Mas suponho que o leitor também imaginou, não? Bem, as aulas de teatro ele já havia riscado das possibilidades.

— Não. Eu prefiro o coral.

Insisti para que optasse petas aulas de flauta. E insisti. Tentei argumentar de todas as formas que pude. Insisti mais um tanto. Até que, por fim, ele disse:

— Mãe, quem quer tocar flauta é você!

Silenciei. Ele tinha razão. Comprei uma flauta doce e, por uma semana, toquei as únicas quatro músicas que lembrava do período de escola, das aulas que tive, da lembrança de não tê-las continuado. O passado em sopro ficou no passado. Gabriel entrou no coral.

Nestas três gerações que somos, vivemos belezas e momentos áridos. É sagrado, mas não é fácil não, preciso dizer. Há pouco, encarei minha imagem refletida no espelho. Eu, mulher, mãe, avó à procura de ensinar, dia após dia, mesclando estes lugares de mestre e aprendiz do tempo.

Comentários

Clara Braga disse…
Linda crônica!
Adoro desenhar cores com meu filho! 😍
Albir disse…
Que beleza, Cristiana!
Sempre volto a mim na idade deles quando estou com eles.
Cristiana Moura disse…
A vida é cheia de entrelinhas meus queridos... Grata