Pular para o conteúdo principal

AQUARELA AMARELA >> Cristiana Moura

 




A tinta escorria pelo papel sem intenção nem precisão. Enfim, ""viver não é preciso". O Amarelo aquoso sobre o papel atrai meu olhar em vibração tal que, por um instante, sinto que sou a cor amarela. Existe uma certa vitalidade da cor adentrando-me pelo olhar que, mesmo sentindo o corpo em inércia desejando hibernar no sofá, apesar do medo-angústia que chegue a morte daqueles que amo, sinto um calor que nem sopa feita pela avó em noite de inverno. Daquelas que a gente toma devagarinho e descem fazendo cafuné por dentro do corpo.

Apesar da sensação, nauseante, de que o tempo está passando e, concomitantemente está estagnado desde março, já é setembro. Este mês é amarelo. É um mês em que, mais do que nos outros lembramos que a vida tem dias bem difíceis sim, alguns parecem até não ter saída.  E que, mesmo nestes dias a vida pode e merece ser reinventada, potencializada. É tempo de lembrar que afeto e cuidado são essenciais e que, em tempos difíceis, há de se pedir ajuda, acolhimento, aceitação verdadeira. Respirar e saber que mesmo nos tempos mais dolorosos é possível continuar vivendo.

Fiquei aqui pensando... Na mitologia grega o amarelo do Pomo de ouro é o símbolo da discórdia. Ao mesmo tempo é símbolo de Apolo, deus da beleza e da Luz. A vida é mesmo assim: impermanente, paradoxal, talvez desencontrada e, por certo cheia de diversidades que, quer sejam bonitas, quer sejam feias, carregam a beleza de serem múltiplas possibilidades do viver cotidiano.

Na aquarela amarela neste início de setembro, nasce a imagem de Oxum, dona do amarelo. Orixá das fontes e das águas doces. Oxum é bonita, dengosa, vaidosa em seu amarelo dourado e espelho na mão. Seu humor é caprichoso e mutável. Há dias em que suas águas são aprazíveis, calmas, límpidas. A passagem por essas águas é leve e plena de graça. Noutros dias, são tumultuadas, cheias de correntezas de tal forma que é impossível existir uma única ponte entre as margens. A inconstância e incerteza do viver. Oxum em fúria é capaz de destruir canoas que tentam atravessar o rio. 

Há dias que eu nado. Há dias que me afogo. Depois volto a nadar. Noutro momento quase sufocar. A vida é assim mesmo? Deve ser. Há dias de águas serenas, Há dias de águas turbulentas. e o amarelo aquoso continua deslizando sobre o papel. Lembro-me de um trecho da música de Caetano: 

"É o melhor 

Que podia acontecer

A cor amarela

Destacar-se entre o mar

E o marrom

Da pele tesa dela"


O ritmo me invade junto à cor. Sempre será possível dançar!

Amém!

Ora yê yê ô !


IMAGEM: https://www.inspirarte.art.br/post/48554



Comentários

Anônimo disse…
Lindo, Cris. Arrasou!
Lilu disse…
Lembrei do Leminski: Amar é um elo entre o azul e o amarelo. Grata pela crônica Cris!
Sâmia Gomes disse…
Que bela crônica ! Gratidão Cris !
Albir disse…
Me lembrou "É D'Oxum" de Jerônimo na voz de Gal, que é um hino de esperança para estes tempos sufocantes. Que beleza, Cris!
Zoraya Cesar disse…
Nossa, vc costurou os temas com maestria e beleza! Nada a estranhar numa artista como vc. Bom demais!