Pular para o conteúdo principal

ARRASTA - ME >> Sandra Modesto


Arrasta - me pra que eu possa escrever

Arrasta - me a qualquer hora

Sonhe comigo

Como uma estrofe perdida no caderno gasto

Numa manhã vulgar

Arrasta - me.

Mas me deixa voar

No meu lugar

Assim

Feito criança

Que ao descobrir o espelho

Não entende maldades

Foge sem perceber o cruel

Verde pegando fogo.

Cinzas.

E os almoços aos domingos continuam desiguais

Arrasta - me

Porque preciso saber

Eu não tenho oitenta e nove mil

Depositados na minha conta.

Por favor, 2020 tá puxado.

Arrasta - me.

Com tamanha força

Pra eu não enlouquecer nesse setembro

Mês tão bem cantado por Beto Guedes.

Infelizmente não deu

Nunca uma canção bateu tão pesada nesse nono mês.

Força, solzinho de primavera.

Arrasta - me.

Esqueça que um dia nos perdemos no vago encanto

Na vida cheia de curvas

Sem o absurdo poema

Com sequelas de amor

Arrasta - me e depois me aqueça


 https://pin.it/6J6Ejte

Comentários

Anônimo disse…
"Quando entrar setembro e as boa nova andar nos campos". Entramos setembro e essas boas não vieram."A lição sabemos de cor só nos resta aprender". Uma linda música e uma bela crônica.Parabéns!
Albir disse…
Que beleza, Sandra! Entoemos juntos o seu lamento e a sua súplica.