Pular para o conteúdo principal

TODA DESPEDIDA >> Fred Fogaça

Foto do autor

Ainda com um triz de receio, explorava crônicas dos meus colegas de dia, quando senti a precipitação do meu domingo. Sentado perante um café passado na engenhosa mariquinha, na companhia de pudins e bolos, calculava. Analisando riscos e medindo probabilidades, arquitetava novos clássicos. Inevitavelmente frustrado, claro, passei a régua pra sair: cartão recusado. Troquei bandeiras percebendo o fim do mês. Daí que eu vi. Fins são escolhas compulsórias; com exceção de, às vezes, não serem escolhas. Creditado a conta ao deus dará, saí pra considerar. 

Foi então que doeu: não o bastante com o mês, vão-se as férias. Designação cruel. Verdade seja dita, foi um período razoável. A todo caso, suficiente para o integral descanso. Mesmo assim, quando venci os degraus e destranquei a porta de casa, disposição renovada não foi bastante pra recordar alívios. Fosse o calor pouco aconchegante, ou as paredes vazias de quadros para evitar o atentado dos vazamentos, fosse o teto que parecia mais baixo ou a arrumação que já não era mais obra meticulosa de Dona Arlete, estanquei, e evitei olhar pra trás: podia não voltar a prosseguir. 

Com as férias, também vou, e pelo horizonte ficam os amigos, abanando os lenços brancos. Me remendei às novidades, não perdi a chance. Até conheci boas almas. Casas de parentes, mesas de bar e lugares de memória, foram presenças necessárias também. Mas meu teto é próximo demais do chão pras malas qu'eu trouxe da viagem; sem tempo de desfazê-las, tropeço a todo tempo nessas tristezas à caminho de formação, aulas e relatórios. Ainda falando com o grande Whisner, sentencia: que vai ser sempre assim. 

Mas aqui tudo é carnal. A burocracia dos dias não cauteriza o que sobrepõe, o sombreamento do que dou de ombros - ou tento - é cada vez menor. Quantas vezes bebi só a conta das mágoas e nunca mais lembrei os acontecimentos da noite passada? Férias prolongadas são nocivas à solidão; ainda pretendi dias além mas galguei apenas uma noite de fuga. Quantas vezes me despi pro calor do instante, mas a maresia era mais fria que o ar seco do pequeno sertão? A folga entre trabalhos amolece a apatia. 

Ainda por cima: eu lá, no luxo do meu café fugindo da crônica natural. Defendendo esquecer as recorrências, seguir adiante relatando sei lá o que com essas contrariedades me atravessando. Pois é, me rendi, despedidas são provas contra si mesmas. Mas a diligência não vai parar, esse é o combinado.

Comentários

sergio geia disse…
"Fins são escolhas compulsórias; com exceção de, às vezes, não serem escolhas" Fred, você é fera. Leitura obrigatória aos domingos.
Fred Fogaça disse…
Muito obrigado Sérgio! Digo o mesmo.
Zoraya Cesar disse…
"Mas a diligência não vai parar, esse é o combinado.". Amei essa frase. E concordo com o Sérgio, vc é imperdível.

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …