Pular para o conteúdo principal

A FEIRA >> Whisner Fraga

A velha belisca o papo do frango. Desce a mão um tanto mais e para, a tempo.

Pechincha que é inadmissível o preço do animal, que não é dia de exploração, que é preciso ter coragem pra vender um bicho daqueles, tão mirrado.

Não usa os termos "inadmissível", nem "exploração" nem "mirrado". Eu que os inventei agora, como se tivessem escapado da boca dela.

O negociante cede, desenrola o barbante do guidão da bicicleta e entrega o almoço da velha, preso pelos pés, ainda de cabeça para baixo, ainda cacarejando o espanto. Foi um bom negócio.

A velha quer batatas também.

Reboca as antigas havaianas pelo desmazelo da manhã: sempre chega cedo para encontrar as melhores mercadorias.

Conhece todos os sitiantes, mas não os trata pelos nomes.

Aponta o maço de coentro e desiste. Os tomates tampouco empolgam.

O filho não tolera tempero forte e, por isso, nem cogita levar cebolas.

Vai caprichar no molho pardo, mais uma vez.

Corre até o fim da feira e acha o cheiro verde. Arranca as moedas do bornal e as deixa na beirada do balcão.

O frango está prestes a perder o fôlego, mas não é preciso dar água ao condenado. A velha mora nas redondezas: ele aguenta a viagem.

Um moleque se oferece para carregar a sacola e ela resmunga. Não são peso nenhum essas décadas de feiras e segue sozinha, satisfeita.

O marido se espreguiça no quarto, salivando a brahma do boteco da esquina.

Enquanto houver domingo será assim.

Comentários

Carla Dias disse…
Que jeito bonito de dizer a rotina de uma pessoa-personagem. :)
whisner disse…
Carla, eu costumava seguir essas senhorinhas pela feira, para aprender como negociar com os vendedores.
Carla Dias disse…
Essa informação é ótima, Whisner! Tenho certeza de que você aprendeu muito com elas.