Pular para o conteúdo principal

SEM TÍTULO >> Cristiana Moura




Ela roçava os pés no colchão lentamente como que num afago. O barulho das construções dos arredores, mais alto que nunca, a invadir a casa sem pedir licença. Que nem amores que surgem sem convite em meio à multidão. Maculam a alternância leve e costumeira entre solitude e solidão. E , logo, vão embora em tom de talvez e identicamente sem rogar consentimento. Os sons invadiram, o amor invadiu, tudo cessou. E ela? Ela meramente prosseguia a esfregar, num mesmo ritmo, os pés por entre os lençóis.

Comentários

sergio geia disse…
Que volta. Digno de Cristiana Moura. Show!
branco disse…
o eu na vida que acontece. formidável
Zoraya Cesar disse…
Cris!!! O que dizer? Vc entregou um mundo de sentimentos e vida em pouquíssimas palavras! Maravilhosa, você, né? Beijos contentes
Cristiana Moura disse…
beijos, Zoraya, beijos!