Pular para o conteúdo principal

AI, MEU CORAÇÃO! - III >> Albir José Inácio da Silva

(Depois de ouvir Bóssi e os vizinhos na cena do crime, o Dr. Mouro retornou à delegacia para abertura do inquérito. Acreditava na história de Bóssi que, além de seu compadre, era um cidadão acima de qualquer suspeita e dedicava sua vida ao bem-estar da família tarietense)

Minutos depois do delegado, Bóssi chegou à Delegacia para depoimento na condição de testemunha, distribuindo sorrisos e cumprimentos. Era amigo da polícia. Contou sua versão sem interrupções. No momento mais dramático da narrativa não pôde evitar as lágrimas. O delegado ouviu compassivo e ditou para o escrivão:

 “Aos vinte e três dias do mês de setembro de 1986, nesta cidade de Tarietá, na Delegacia de Polícia, onde se achava o Dr. Mouro, Delegado, comigo Escrivão, ao final assinado, compareceu o Senhor Antônio Vieira dos Santos, já qualificado,  socialmente conhecido como “Bóssi”, sabendo ler e escrever, aos costumes disse nada, testemunha compromissada na forma da lei, sendo inquirida pelo Dr. Delegado, disse: que às sete horas da manhã de hoje foi até a sede do Grêmio Recreativo Tarietense para se encontrar com o presidente eleito e tratar de assuntos ligados à transmissão do cargo; que estranhou portão e porta abertos, mas tinha entregado as chaves a Arakém logo após a apuração; que encontrou a secretaria revirada e, ao entrar na sala de reuniões, se deparou com Arakém caído sobre o próprio sangue; que, ato contínuo, tocou o alarme e correu para a porta no alto da escada e começou a gritar por socorro; que neste momento ainda pôde ver o ladrão encapuzado, carregando um saco nas mãos, que pulou o muro e fugiu numa motocicleta dirigida por um comparsa também encapuzado; que, depois disso, ligou para a polícia; que vizinhos e transeuntes testemunharam a fuga do meliante; que muitas pessoas se dirigiram ao local até que chegou o ilustre Delegado. Nada mais disse. Lido e achado conforme, vai devidamente assinado por mim, escrivão, pela testemunha e pelo Dr. Delegado”.

                                                                                BÓSSI

O apelido Bóssi quem deu foi o Neném, depois de umas aulas de inglês, dentre outros cursos que o chefe insistiu em matriculá-lo, a ver se conseguia um ajudante mais apresentável. Não conseguiu ilustrar o ajudante, mas ganhou essa alcunha, que é uma corruptela de “boss” – chefe em inglês. E Bóssi gostava do apelido, mesmo sabendo que era fruto de ignorância bajulatória.

Não havia mais o que dar errado. Todas as etapas transcorriam conforme planejado. Sua maior preocupação era o Neném, um garoto neurastênico, que dava piti quando via sangue, mas era o único em quem confiava. E ele se saíra bem, mesmo com alguns espasmos na hora agá. Neném era uma besta quadrada, costumava dizer, mas era sagaz e de confiança.

Em “off”, ao Dr. Mouro, Bóssi disse que pessoalmente gostava de Arakém, para ele um ingênuo, um sonhador. Desses que acreditam em igualdade, luta de classes, e esquecem que quando o patrão vai bem, o empregado também vai, e quando melhora para o rico, sobra mais para o pobre. Mas essa gente parece não ter jeito, fica sonhando enquanto a vida passa. Um inocente útil, mas um bom homem. Um adversário combativo, nunca um inimigo, embora tenha tentado atrapalhar sua gestão desde que chegou ao Conselho.

Apertou a mão do delegado, que mandou recomendações à família e lhe desejou boa administração à frente do Clube.

Bóssi deixou a delegacia aliviado. Ria-se com a máxima de que não existe crime perfeito. Ora, se um crime não pode ser esclarecido, permanece silencioso nos arquivos da polícia, ele é perfeito.

Enxergava-se longe de um assassino, pelo contrário, era um cidadão de bem. Os fins justificam os meios, e situações extremas exigem soluções extremas. Se tomou providências mais enérgicas, foi em benefício do clube e da cidade. Não foi à toa que ganhou da Câmara Municipal o título de “Cidadão Tarietense”.

Bóssi voltou para o clube, o que não lhe faltava era trabalho até as eleições. E por onde andaria Neném, que não deu notícias até agora? Não estava no clube nem telefonou.


(Continua em 15 dias)

Comentários

Zoraya disse…
aaaaiiii, Albir! Assim vc nos mata de suspense! Tomara que Bóssi se dê mal, muito mal!

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …