Pular para o conteúdo principal

QUEM FOI TEÓCRITO? >> Sergio Geia



Pra tirar um dez, culto leitor. Faço-lhe apenas esta pergunta pra tirar um dez. Na verdade, é dez ou zero, mas uma pergunta, apenas uma, e nenhuma outra mais: afinal de contas, quem foi Teócrito?
Ah, amigo, não fique vermelho, não se envergonhe por não saber, e esqueça essa bobagem de avaliação pedagógica numa simples crônica. Acontece que essa foi a única questão de uma prova oral de Direito elaborada pelo latinista Geraldo de Ulhoa Cintra, ao meu amigo Téo, isso lá pelo ano de 1962.
Téo precisava de uma nota alta, um sete ou oito e o professor Geraldo de Ulhoa Cintra, um escritor muito famoso e respeitado, especialista em civilização greco-romana, autor de grandes obras como De Actione Sacramento, Verbetes Franceses, Dicionário Latino-Português, Textos Arcaicos, O Conceito Perene de Filologia, dentre outros, encarou o novato, e, para sua surpresa e de todos, disparou sem o mínimo rodeio: “O senhor tem hoje comigo uma responsabilidade muito grande. Pois vou lhe fazer uma única pergunta e o senhor vai tirar um dez; é dez ou zero”. O dedicado aluno não esperava por essa, coçou a cabeça e concluiu que se metera numa grande enrascada. “Quem foi Teócrito?”. Foi então que Téo respondeu sem pestanejar: “Então o senhor pode anotar aí um dez!”.
Ah, grande Teócrito, o escolhido do Senhor! Teócrito foi um poeta, o poeta grego de maior destaque no período helenístico, tendo exercido forte influência sobre a obra de Virgílio. Escreveu pequenos poemas, os chamados Idílios, e epigramas curtos, de temática bucólica, pastoral ou mitológica, alguns ainda bem conservados em bibliotecas como o “Ambrosianus 222” que está na Biblioteca Ambrosiana de Milão, e o “Vaticanus 915”, na Biblioteca do Vaticano.
Eis um pequeno trecho do Idílio “A Seresta”, encontrado na tese desenvolvida por Érico Nogueira, sob a orientação do professor João Angelo Oliva Neto, e apresentada no Programa de Pós-Graduação em Letras Clássicas e Vernáculos da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, da Universidade de São Paulo, para a obtenção de título de Doutor, intitulada “Verdade, contenda e poesia nos Idílios de Teócrito”, no ano de 2012: 

“ ... Graciosa Amarílis, por que, debruçando-te nesta caverna,
não me chamas mais, a mim, teu benzinho? Odeias-me?
Acaso, de perto, pareço ter narigão adunco,
ninfa, e barbicha de bode? Acabas levando-me à forca.
Olha, trago para ti dez maçãs: colhi-as de lá,
donde mandastes colher, e amanhã te trarei outras mais.
Vê: cardialgia é o que tenho. Quem dera, então, eu virasse
 a abelha que zune, e aí nesta tua caverna adentrasse,
passando por meio da hera e do feno que a ti te recobrem.
Agora conheço Amor, pesadíssimo deus...” 

Que monumento a tua poesia, ó Teócrito! Que simplicidade, que doçura! O amor não correspondido de um cabreiro sem nome, que oferta à jovem Amarílis, como prova do sentimento, maçãs, flores e cabra, e uma canção, uma canção de amor, amor campestre e juvenil. Ah, quantas vezes o Geia não cantou uma canção de amor?
Pois voltando ao mundo real, Téo tirou um dez e tinha as respostas na ponta da língua. Diferentemente do senhor, caríssimo leitor, meu amigo se chama Teócrito, daí a pergunta e a resposta certeira; muito culto, interessado em coisas diversas, e um grande leitor, ele sabia tudo sobre Teócrito.
 

Comentários

Zoraya disse…
haha, divertida, essa! agora, cá entre nós, o Prof. Geraldo de Ulhoa Cintra (até o nome é imponente!) foi de uma generosidade ímpar! E, como sempre, delícia de crônica, Sergio!
Anônimo disse…
Adorei Sergio

Postagens mais visitadas deste blog

MÃE – A MINHA, A SUA, TODAS
[Debora Bottcher]

Pessoalmente, não gosto de escrever sobre ‘datas especiais’ porque sempre me pergunto quem foi que inventou esses ‘dias de’ e baseado em que. É que apesar de eventuais evidências, eu me recuso a crer que essa ‘mágica’ idéia resiste ao tempo, à modernidade, às novas gerações, fincada apenas no foco de atiçar as vendas do quase-sempre-em-crise mercado comercial – digo ‘quase’ porque todas as vezes que vou ao shopping, em qualquer dia da semana, assombro-me com o movimento constante. Daí não tenho certeza de entender bem a base dos números e imagino sempre que é porque as estimativas são ousadas e otimistas demais, muito acima do poder aquisitivo da população média.
Seja como for, se me proponho a abordar o tema do momento – o ‘Dia das Mães’ - prefiro direcioná-lo à figura materna diretamente, para quem, certamente, tal dia é apenas uma vírgula no traçado de sua (árdua) trajetória. Não sou Mãe – que fique claro; portanto, para dedilhar (vagamente) sobre elas, vou me basear na minha, nas m…

EU ESTOU BEM >> Sergio Geia

Digamos que foi um susto. No último dia 11, eu voltava de Jacareí sentido Taubaté, seguia o fluxo normalmente quando no km 156 da Via Dutra, bem em frente ao posto de guarda, em São José dos Campos, os carros à minha frente — como em Blecaute, de Marcelo Rubens Paiva —, simplesmente congelaram. De 80 km, naquele trecho, para zero, em fração de segundo. Não tive tempo de rezar (ah, como eu queria!), nem sequer olhar pelo retrovisor, descobrir se havia ou não uma carreta atrás de mim. Quando a ficha caiu, pisei fundo no freio, consegui não atingir o veículo à minha frente, mas, também, só por outra fração de segundo. De repente, uma sensação esquisita: eu senti a estocada, os objetos que estavam em cima do banco do carona voaram, logo meu veículo era arrastado até atingir o da frente.

Desci. Os motoristas dos outros quatro carros desceram, todos confusos, querendo entender. Os três primeiros carros, incluindo o meu, pequenos danos materiais, levíssimos diante do susto. O penúltimo e o …

À DISTÂNCIA (Paula Pimenta)

E se quiser recordar daquele nosso namoro
Quando eu ia viajar você caía no choro Eu chorando pela estrada Mas o que eu posso fazer Trabalhar é minha sina Eu gosto mesmo é d'ocê...
(Vital Farias)

Quem nunca namorou de longe, não vai conseguir entender metade do que eu vou escrever nessa crônica, porque só quem já passou por essa experiência sabe o quanto ela é difícil. Mesmo assim vou tentar explicar, para todas as vezes que vocês se depararem com alguém reclamando da ausência do namorado, não começarem com as manjadas frases que não fazem nada pela pessoa solitária: “Ah, mas pelo menos quando vocês se encontram tudo é festa, nem tem tempo pra brigar.” Ou: “O tempo está passando rapidinho, logo o próximo feriado chega.” Ou ainda: “É bom que no período que ele está longe você pode curtir com os amigos.”

Só quem namora à distância sabe o quanto essas frases são mentirosas. O tempo não está passando rapidinho, pode até passar pra quem está com o namorado do lado, podendo ir com ele ao cinema …